Karnak encerra carreira de 10 anos

Só restam 72 horas de vida ao Karnak. O bem-humorado grupo que André Abujamra formou há dez anos depois de desativar a dupla Mulheres Negras, que fazia com Maurício Pereira, subirá a um palco pelas duas últimas vezes nas noites de amanhã e domingo, no Sesc Pompéia.A decisão de acabar com um conjunto que já ficou entre os 15 melhores da história da música brasileira, foi elogiado pela crítica estrangeira e acabou de chegar de uma temporada de cinco shows pelos Estados Unidos partiu de seu próprio criador. Abujamra fala em tom melancólico ao enumerar as razões que o levaram a desativar o Karnak. "Em primeiro lugar, o que eu gostaria que as pessoas ficassem sabendo é que não brigamos. Somos muito amigos. Gostaria que escrevesse isso, por favor."Feita a ressalva, começa a choradeira. "Estamos fazendo dez anos e senti que não tínhamos mais para onde correr. Acabou um ciclo. Eu sempre lutei contra a imagem de banda engraçada ou banda performática, tínhamos também um conteúdo poético que não era entendido. Mas não culpo as pessoas por isso. Nós ficamos presos a uma fórmula que criamos."A síndrome de Nando Reis, que deixou os Titãs para se dedicar a projetos-solo, vem em segundo lugar. "Estou muito envolvido com a 16ª trilha sonora que estou fazendo para um filme, que é o Carandiru, de Hector Babenco. Queria mesmo um tempo para pensar."Depois de uma madrugada em branco, remoendo a hipótese do fim da big band que ultimamente era encabeçada por cinco integrantes (além de Abujamra, Marcos Bowie, trompete; Hugo Hori, sax e flauta; Eduardo Cabello, guitarra; Kuki Stolarski, bateria), Abu levantou cedo e foi falar com cada integrante. "Foi difícil para todo mundo, e acho que estou mais abalado."Qual a moral da história de 10 anos de uma banda que arrebatou uma platéia fiel mas que nunca tocou em rádios ou teve contrato com gravadoras? "Acreditamos em uma utopia durante dez anos sem nunca termos apoio de ninguém. Na verdade, eu já estava me sentindo meio um tiozinho da Sukita. A ansiedade para fazer algum sucesso é bem menor agora. Mas o Karnak se tornou uma comunidade."Os shows terão participações de amigos e todos os músicos que passaram pelo grupo, como Lulu Camargo e Proveta. O repertório será dos três álbuns lançados na trajetória do Karnak.Karnak. Amanhã, às 21h. Domingo, às 18h. Sesc Pompéia (Rua Clélia, 93. Tel: 3871-7700). Ingressos: R$ 15.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.