REUTERS/Mario Anzuoni
REUTERS/Mario Anzuoni

Kanye West lança segundo disco em pouco mais de uma semana com sample de Nirvana

Novo álbum de foi criado em colaboração com o rapper Kid Cudi e se chama 'Kids See Ghosts

AFP

09 Junho 2018 | 12h34

O rapper americano Kanye West lançou nesta sexta-feira, 8, seu segundo disco em pouco mais de uma semana. Desta vez, ele entrega uma proposta mais obscura, na qual aborda as angústias da vida junto a Kid Cudi.

Depois de um ano de silêncio em que tratou de sua saúde mental, West reapareceu em abril com declarações polêmicas, ao se tornar uma rara celebridade negra a apoiar o presidente Donald Trump.

Em 1º de junho, ele retornou com seu oitavo álbum de estúdio, chamado Ye, em que revelou sua faceta mais íntima abordando suas inseguranças, com apenas sete faixas, que o mostraram menos ambicioso do que quando lançou um sucesso atrás do outro há uma década.

O astro do rap cumpriu o calendário previsto em seu Twitter ao lançar outro disco de sete canções nesta sexta, em colaboração com Kid Cudi, chamado Kids See Ghosts.

Enquanto Ye evoca o soul e os ritmos dançáveis do West do início de carreira, Kids See Ghosts é mais uma obra de Kid Cudi, cuja eletrônica acentua os reflexos obscuros em suas rimas.

Um das faixas, Freeee (Ghost Town Part 2), começa com uma declaração do ativista do início do século 20 Marcus Garvey, um dos líderes do movimento rastafári. Depois, a dupla diz que encontrou a paz.

"Já não sinto dor! Adivinha o que, baby? Sou livre!", cantam.

O álbum termina com uma faixa baseada em Burn the Rain de Kurt Cobain, um riff de guitarra acústica lançado como parte do documentário Montage of Heck sobre o falecido vocalista do Nirvana.

Mostrando estar sempre na atualidade, West insere uma frase na canção saudando Alice Marie Johnson, uma mulher que passou quase 22 anos presa por um delito não violento de tráfico de drogas e que teve sua sentença comutada por Trump na quarta-feira após um apelo da esposa de West, a estrela de reality show Kim Kardashian.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.