Randall Hill/ Reuters
Randall Hill/ Reuters

Kanye West diz que Kim Kardashian quer interná-lo após ele falar de aborto em discurso eleitoral

Em sua conta no Twitter, ainda se comparou a Mandela e disse que o filme 'Corra!' é baseado nele

Redação, Reuters

21 de julho de 2020 | 13h13

O rapper Kanye West postou uma série de tuítes na segunda-feira, 20, alegando que sua mulher, Kim Kardashian, estava tentando prendê-lo por motivos médicos, comparando-se a Nelson Mandela e sugerindo que o filme Corra! foi baseado em sua própria vida.

As postagens tarde da noite na conta oficial de West no Twitter - a maior parte foi excluída algumas horas depois - ocorreram um dia após ele lançar sua campanha presidencial nos Estados Unidos com um ato em Charleston, na Carolina do Sul.

Naquele evento, ele abordou, em lágrimas, uma decisão que disse ter tomado com Kim para não abortar uma gravidez.

“Kim estava tentando voar para Wyoming com um médico para me trancar como no filme Corra!, porque eu chorei sobre salvar a vida de minhas filhas”, disse West em um dos tuítes que mais tarde foi excluído.

“Se eu ficar preso como Mandela, vocês saberão o porquê”, ele escreveu em outro tuíte, também posteriormente excluído, referindo-se ao homem que se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul, após ficar preso por quase três décadas sob o apartheid.

Em outros posts, mais tarde excluídos, West apelou diretamente para Kardashian e a mãe dela, Kris Jenner, para contatá-lo em seu rancho em Wyoming.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Kanye WestKim Kardashianmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.