Reuters
Reuters

Justin Bieber e Usher têm vitória em caso sobre direitos autorais

Cantores foram acusados de copiar, ilegalmente, partes de sua música conjunta 'Somebody to Love' de dois compositores americanos

Jonathan Stempel, RReuters

06 Janeiro 2017 | 16h55

Uma juíza federal rejeitou um processo de 10 milhões de dólares que acusava os cantores Justin Bieber e Usher de copiar, ilegalmente, partes de sua música conjunta Somebody to Love de uma faixa de mesmo nome de dois compositores norte-americanos.

Em uma ordem expedida na quinta-feira, a juíza distrital Arenda Wright Allen, de Norfolk, Estado da Virgínia, adotou a conclusão de um magistrado federal de que Devin Copeland e seu primo Mareio Overton não foram capazes de mostrar que Bieber e Usher tiveram acesso à sua música de 2008 antes de criarem sua própria faixa em 2010. 

Arenda concluiu o processo de forma que ele não possa ser reaberto. Duncan Byers, advogado dos reclamantes, não respondeu imediatamente a pedidos de comentários nesta sexta-feira.

Em um documento judicial no mês passado, Copeland, que atende pelo nome artístico de De Rico, e Overton disseram ter resolvido a disputa com Bieber, assim como com a Universal Music Group e a  Def Jam Recordings.

Usher, cujo nome completo é Usher Raymond, e a Sony/ATV Musical Publishing estavam entre os outros réus. 

A juíza primeiramente recusou o processo em março de 2014, mas um tribunal de apelações federal reavivou o caso em junho de 2015, dizendo que um júri poderia considerar os refrões das músicas “intrinsicamente semelhantes”.

Bieber e Usher alegam que sua música foi baseada em uma versão de novembro de 2009 da compositora Heather Bright e de um trio de produtores, The Stereotypes.

Mas os reclamantes disseram que executivos musicais haviam dado acesso aos cantores anteriormente a isso. 


 

Mais conteúdo sobre:
Justin Bieber

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.