Instagram
Instagram

Justiça do Rio manda prender o DJ Rennan da Penha, do Baile da Gaiola

Advogado já pediu habeas corpus e recurso; músico havia sido inocentado na primeira instância por falta de provas do seu suposto envolvimento com o tráfico de drogas; reação nas redes sociais condenou a decisão

Redação, O Estado de S. Paulo

23 de março de 2019 | 13h06
Atualizado 25 de março de 2019 | 16h41

A Justiça do Rio mandou prender o DJ Rennan da Penha, idealizador do Baile da Gaiola, realizado na Vila Cruzeiro, zona norte do Rio. Renan Santos da Silva tinha sido inocentado em primeira instância das acusações de associação ao tráfico de drogas, mas foi condenado em segunda instância após recurso do Ministério Público do Rio. De acordo com a decisão, ele deverá cumprir 6 anos e 8 meses em regime fechado.

Segundo o advogado de Rennan, Nilsomaro Rodrigues, um pedido de habeas corpus já foi impetrado no Supremo Tribunal Federal para que o músico aguarde o julgamento da terceira instância, no STJ, em liberdade. O recurso também já está em andamento.

A decisão causou revolta nas redes sociais.

Referência do funk carioca contemporâneo, Rennan já gravou com vários artistas como Nego do Borel, Ludmilla, e produziu com MC Livinho um dos hits do carnaval 2019, Hoje Eu Vou Parar na Gaiola.

A decisão da Justiça decretou a prisão de dez outros denunciados. No acórdão, o desembargador Antônio Carlos Nascimento Amado afirma que Rennan atuava como "olheiro" do tráfico e produzia músicas "enaltecendo o tráfico de drogas". Segundo a decisão, a polícia teria chegado ao DJ após o relato de uma testemunha. Um dos motivos para a condenação seria uma troca de mensagens do acusado e a "confirmação pela testemunha da existência de bailes funk na comunidade com venda de entorpecente", justamente os bailes promovidos por Rennan.

As testemunhas de defesa, porém, alegaram que trocas de mensagens entre moradores das comunidades sobre a atividade policial são comuns, no intuito de se proteger de tiroteios e eviar danos a veículos por conta da movimentação dos veículos blindados. A defesa teria relatado ainda que as músicas tocadas pelo DJ retratam a realidade das favelas e não enaltecem as atividades criminosas. O músivo havia sido inocentado na primeira instância por falta de provas.

"A juíza que ouviu as testemunhas, que fez a instrução, absolveu ele. De surpresa, apareceu essa condenação de segundo grau. A nova decisão diz algo de uma pseudoparticipação do Rennan, de apologia ao tráfico, que não existe", explicou o advogado, Nilsomaro Rodrigues. "Ele nasceu no Complexo do Alemão, por ser negro e de periferia há um preconceito. Ele é idealizador do Baile da Gaiola, mas é só um dos artistas que participam. Ele tem programa na FM O Dia, 22 pessoas trabalham com ele, há shows marcados, entrevistas. O cara não é um bandido que tem ser encarcerado. Não é razoável prendê-lo. Nem usuário de droga ele é, não tem nada provado contra ele. A liberdade cultural está esculpida na Constituição. Não cabe a ele combater o tráfico."

 


Nas redes sociais, críticos da decisão alegaram perseguição da justiça e racismo contra o artista. Veja as principais reações:

 


 


 


 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.