Júri vê vídeo em que acusadores elogiam Jackson

A família do menino que acusa o cantor Michael Jackson de abuso sexual foi vista hoje pelos jurados em um vídeo em que aparece exaltando o astro como uma figura paterna. Também hoje, a irmã da suposta vítima disse em seu testemunho que havia sido abusada pelo próprio pai, que a prendeu em casa e fez-lhe ameaças."Deus trabalhou através de Michael para nos ajudar", disse, no vídeo, a mãe do menino que acusa o cantor. "Quando não víamos esperança, Michael disse que havia esperança. Nós estávamos quebrados e Michael nos consertou". O vídeo foi exibido antes do testemunho da irmã do garoto, uma universitária de 18 anos, que foi questionada pelo promotor Tom Sneddon e pelo advogado de defesa de Jackson, Thomas Mesereau Jr. O depoimento dela começou ontem e foi concluído hoje.Mesereau perguntou à jovem se ela alguma vez disse à polícia que o pai dela a molestava cinco vezes por semana e ela respondeu "nós éramos abusados todos os dias". Ela disse que entendeu que estava sendo abusada sexualmente quando a mãe falou sobre o assunto. "Quando você foi interrogada pela polícia, você não disse que seu pai havia abusado de você", ela disse. "Eles não me perguntaram sobre isso e eu era muito nova", ela disse. "Foi horrível descobrir o que ele havia feito comigo quando eu era nova", completou. A garota disse ontem que a equipe Jackson fez a família gravar o vídeo duas semanas depois da exibição do documentário Vivendo Com Michael Jackson, em 6 de fevereiro de 2003. Sneddon diz que o vídeo da "reconstrução" foi uma encenação. A menina é vista na fita dizendo que Jackson "é um homem muito preocupado e humilde" e que ele ajudou muito seu irmão, que sofria de câncer. Num ponto do documentário, o menino diz ter perguntado a Jackson: "Posso te chamar de papai?", e que o cantor respondeu que sim.Alguns dos jurados tomaram notas durante a exibição. O garoto aparece dizendo que "Michael me trata como se fosse meu pai". A mãe aparece várias vezes no vídeo falando do milagre de Jackson ter entrado na vida da família. "É uma realização para mim ver meus filhos interagindo com um modelo de pai", ela declarou. Ela falou do abuso do ex-marido e disse que se sentia responsável por garantir que seus filhos estavam a salvo.O menino, que hoje acusa o cantor de abuso, aparece dando-lhe crédito para ajudar na sua cura do câncer. "Ele me disse: ´você precisa ficar melhor, você precisa comer todas células do câncer como o Pac-Man´. Eu nunca esqueci isso". Em um momento, a mãe comenta dos problemas financeiros. "Nós sabemos o que é ser pobre, mas em todo o tempo com Michael não houve problemas com dinheiro". Sobre o jornalista Martin Bashir, responsável pelo primeiro documentário, ela disse que "Deus trabalha através das pessoas e o diabo também". Mas, quando Mesereau perguntou à menina, ela disse que ninguém da família havia visto o documentário. Sobre as declarações de pobreza feitas pela mãe, ela disse que "ela estava tentando ser dramática. Havia um roteiro". "Então você está dizendo que tudo o que você disse foi decorado?" perguntou Mesereau. "Não tudo", disse a menina.

Agencia Estado,

04 de março de 2005 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.