Jurados de Jackson riem de testemunha

Membros do júri do julgamento de Michael Jackson por abuso sexual de um menor foram aparentemente ouvidos rindo de uma testemunha, apesar de não haver nenhuma ação da corte. "É um rumor sem bases e não haverá investigação", disse o administrador do tribunal Darrel Parker. Jurados são estritamente proibidos de falarem sobre o caso antes de começarem a deliberar.Na segunda-feira, um jovem de 24 anos testemunhou, chorando, que Jackson havia tocado seus genitais por cima das roupas em duas ocasiões, no final dos anos 1980, e por dentro das roupas em 1990, todas as vezes enquanto brincavam de fazer cócegas. (Leia aqui: Testemunha conta como foi abusado por Jackson).Robert Cole, um editor da emissora britânica SkyNews, disse ter passado por uma área onde jurados estavam e ouvido um jurado imitando alguém chorando, enquanto os outros riam. "Tudo que eu ouvi foi ´ele estava assim uh-huh-huh (imitando um som de choro)´, então ouvi risadas. Parecia que eles tinham acabado de ouvir este garoto chorando e estavam rindo do que havia acontecido, imitando-o. Eu não ouvi nomes, nem nada. Eu não sei se eles estavam falando dele ou não".Como a acusação de Cole circulou pela mídia, houve quem dissesse que ele teria ouvido "Oh, buá, Michael Jackson me fez cócegas". Mas Cole disse à Associated Press que não ouviu os jurados usarem o nome de Jackson e não estava certo de que falavam do caso. Cole disse que outro repórter também ouviu a conversa, mas se recusou a comentá-la. Procurada pela AP, a promotoria não fez comentários. O advogado de defesa de Jackson, Brian Oxman recusou-se a comentar, usando a ordem de silêncio como justificativa. Jackson e seu advogado, Thomas Mesereau Jr., deveriam voltar à corte hoje, depois do recesso de ontem para que o cantor comparecesse ao enterro do advogado Johnnie Cochran Jr., que o representou em um acordo de 1994, realizado para encerrar um processo por abuso sexual.Cochran teve outros clientes famosos, como O.J. Simpson, que também foi ao enterro. O advogado, de 67 anos, morreu em 29 de março, devido a um tumor cerebral, em sua casa, em Los Angeles. Também estavam presentes na cerimônia fúnebre celebridades como Stevie Wonder e o ex-jogador de basquete do L.A. Lakers, Earvin "Magic" Johnson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.