Julgamento de Amy Winehouse por posse de maconha é adiado

Decisão da Corte da Noruega é por causa dos problemas legais do marido da cantora, Blake Fielder-Civil

Efe,

27 Fevereiro 2008 | 14h41

A Corte de Apelação do Oeste da Noruega decidiu adiar nesta quarta-feira, 27, o início do julgamento da cantora britânica Amy Winehouse por posse de maconha devido aos problemas legais de seu marido, Blake Fielder-Civil, em prisão preventiva na Inglaterra.   Fielder-Civil deve comparecer na sexta-feira, o dia marcado para o início do julgamento contra Amy em Bergen (Noruega), perante um tribunal britânico devido a outro caso. A Corte de Apelação considera que sua ausência impediria o esclarecimento dos fatos.   Amy, seu marido e seu cabeleireiro foram detidos em 19 de outubro em um hotel de Bergen por posse de 7 gramas de maconha, durante a turnê européia da cantora.   Os três passaram a noite na delegacia local e foram colocados em liberdade no dia seguinte após assinar um documento em que aceitavam pagar uma multa de 4 mil coroas norueguesas (US$ 754) cada um por posse ilegal e uso de narcóticos.   Após sair da Noruega, a cantora se negou a aceitar a multa, alegando que desconhecia o conteúdo do documento que assinou e que não permitiram a ela recorrer nem um tradutor nem um advogado, algo negado pela Polícia de Bergen.   Rehab   Amy, de 24 anos, ficou famosa com Rehab (Realibitação), do CD Back to Black. A música diz, um um trecho, "eles tentaram me fazer ir para a reabilitação, mas eu disse não, não não". Contudo, ela já esteve envolvida em diversos escândalos envolvendo drogas e álcool e precisou ser internada em clínicas de reabilitação. A cantora já foi flagrada até fumando um cachimbo com crack em janeiro deste ano.   Apesar de todos os casos, a música de Amy faz cada vez mais sucesso. Na premiação do Grammy Awards deste ano, ela foi a grande vencedora e faturou cinco prêmios: melhor canção e gravação do ano, com Rehab, artista revelação, melhor álbum Pop Vocal com Back to Black, e melhor artista Pop Vocal Feminina.

Mais conteúdo sobre:
Amy Winehouse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.