Juiz nega à imprensa acesso ao caso Jackson

O juiz do caso Michael Jackson negou uma solicitação da imprensa para que sejam divulgadas as transcrições do Grande Júri encarregado de examinar as acusações, a fim de determinar se o pop star deveria ou não ser processado.O juiz Rodney Melville disse que deve equilibrar o direito do público de saber detalhes do caso e o direito de Jackson de receber um julgamento imparcial e admitiu que esta tarefa não é fácil. "A dificuldade de se conseguir um julgamento imparcial neste país é exasperante quando o indivíduo é conhecido em todo o mundo", afirmou o juiz.Informações chaves sobre o caso foram censuradas. Os nomes dos cinco membro do Grande Júri permanecem em segredo assim como os 28 atos específicos que os promotores elencaram para as acusações. Tanto os advogados de defesa quanto os de acusação receberam ordens judiciais de não fazer comentários sobre o caso.O advogado da imprensa Theodore Boutrous Jr. pediu ao juiz que permitisse a divulgação do conteúdo das 47 ordens de registro e a transcrição de todas as deliberações do Grande Júri, para que o público possa conhecer exatamente as acusações que foram feitas contra o artista e quais os procedimentos utilizados para obtenção das provas."Há chegado o momento de trazer à luz dados que permitam ao público e à imprensa, que o representa, saber de que se trata o caso", disse Boutrous.O advogado de defesa, Thomas Mesereau Jr., disse que não deseja a divulgação das transcrições do Grande Júri, ou das ordens de registro para evitar que afetem o caso. Jackson, de 45 anos, de declarou inocente de cometer atos lascivos contra um menor, dar-lhe bebida alcoólica e confabular para realização de seqüestro, privação de libertada e extorsão. Nova audiência sobre o caso está marcada para o dia 9 de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.