Juiz não será mais informado sobre filhos de Michael Jakson

Magistrado também autorizou administradores da fortuna do cantor a lidar com credores

AP,

03 de outubro de 2009 | 17h36

Os três filhos de Michael Jackson parecem estar se adaptando bem aos cuidados da avó, afirmou um juiz. O magistrado do tribunal superior de Los Angeles, Mitchell Beckloff, disse nesta sexta-feira, 2, que estava "muito satisfeito" com o resultado de um relatório de um investigador judicial sobre como as crianças estão se adaptando, aproximadamente três meses depois da morte do seu pai.

 

"Parece que eles estão maravilhosamente bem com sua avó", ele disse, enquanto comentava brevemente o relatório durante uma audiência.

 

Prince Michael, de 12 anos, Paris, de 11, e Prince II, de 8, estão sob os cuidados de Katherine Jackson desde a morte do cantor, no fim de junho. Em agosto, Beckloff apontou a avó como a responsável pelos filhos de Michael Jackson e pediu para ser mantido informado acerca das condições das crianças. Em seu testamento, feito em 2002, o rei do pop manifestou o desejo de que Katherine criasse seus filhos, caso ele morresse.

 

Beckloff encerrou os relatórios acerca do estado das crianças e afirmou que não vê necessidade de continuar a ser informado sobre o tratamento recebido por elas. O espólio de Jackson paga um estipêndio mensal de US$ 60 mil (cerca de R$ 108 mil) para o cuidado e segurança dos seus filhos.

 

Beckloff também aumentou o poder de dois homens que atualmente administram a herança de Jackson, uma decisão tomada em parte graças às volumosas dívidas do cantor.

 

O juiz concedeu ao advogado John Branca e ao executivo John McClain poder total sobre o espólio, o que lhes permite considerar os pedidos dos credores. Eles também podem fazer negócios - aos quais Katherine Jackson não se oponha - sem a aprovação de Beckloff. Podem, ainda, representar o cantor em diversos casos judiciais que estavam pendentes quando o cantor morreu. O juiz tomou a decisão a despeito das objeções dos advogados de Katherine.

 

Inúmeras pessoas entraram com petições contra o espólio de Jackson, por causa de contas não pagas pelo cantor. Os reclamantes incluem um estilista, empresas de segurança e os advogados criminais do astro - que o inocentaram dos processos por abusar sexualmente de crianças.

 

Até ontem, ninguém podia aceitar ou rejeitar as petições movidas pelos credores de Jackson, que morreu com uma dívida de aproximadamente US$ 400 milhões (aproximadamente R$ 720 milhões).

 

Paul Gordon, um advogado de Branca e de McClain, disse que há muitas pessoas que não entraram com petições contra a herança de Michael Jackson porque tecnicamente não havia quem pudesse aceitá-las.

 

Burt Levitch, um dos advogados de Katherine Jackson, não quis comentar a decisão do juiz. Ele disse, contudo, que sua cliente ainda espera que uma decisão coloque alguém da família no grupo de pessoas responsável pelo espólio do cantor - que, segundo estimativas, chega aos US$ 500 milhões (aproximadamente R$ 900 milhões).

 

O patriarca da família Jackson, Joe, compareceu à audiência desta sexta-feira, mas não se pronunciou nem durante nem ao fim do julgamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.