Juiz diz ter candidatos suficientes para júri de Jackson

O juiz Rodney Melville, responsável pelo julgamento de Michael Jackson no caso em que o cantor é acusado de abuso de menor, terminou a primeira etapa da seleção do júri um dia antes do previsto pois, para sua surpresa, há um grande número de potenciais jurados que disseram ter vontade de trabalhar no caso.Melville disse que cerca de 250 dos 430 potenciais jurados entrevistados entre segunda-feira e ontem têm vontade de trabalhar no julgamento, que pode durar seis meses. Ele cancelou os planos de entrevistar mais 300 pessoas na tarde de ontem e na manhã de hoje, dizendo que já havia pessoas suficientes para formar o júri de 12, além dos oito reservas. "Acredito que temos jurados suficientes", disse Melville. O interrogatório individual dos candidatos vai começar na segunda-feira. Pessoas que assistiram às audiências disseram que o processo foi acelerado devido ao grande número de pessoas que querem servir. "Normalmente, em um julgamento que vai durar mais de seis meses, a maior parte das pessoas vai dizer que não pode", disse Michael Brennan, professor de direito da Universidade do Sul da Califórnia. "Há pessoas que querem participar do júri apenas pela notoriedade". Jackson, de 46 anos, é acusado de abusar de um menino de 13 anos e de oferecer-lhe bebidas alcoólicas em seu rancho Neverland (Terra do Nunca), no começo de 2003. Ele também é acusado de conspiração e de manter o garoto e a família dele presos.A audiência de ontem começou com menos barulho que a de segunda-feira, quando Jackson foi recebido por vários fãs ao chegar, todo de branco, ao tribunal. Pouco mais de 100 fãs estavam na porta do tribunal ontem quando o cantor chegou, vestindo um terno preto com listras douradas e vermelhas na lateral das pernas.Durante um dia e meio de entrevistas, algumas candidatos foram excluídos do caso, alegando desde problemas de saúde a motivos profissionais. Jackson sorriu ontem ao encarar os potenciais jurados. Ele tomou notas em um caderno, enquanto Melville interrogava os candidatos sobre o trabalho como jurado. Melville ouviu rapidamente cada um dos candidatos, sem fazer muitas perguntas e encerrando as sessões com um "Está certo, obrigado". Entre as pessoas que pediram para serem excluídas do caso, há alguns que disseram não poder deixar o trabalho, várias mulheres grávidas e um grande número de profissionais autônomos que disseram que perderiam seu sustento se tivessem que trabalhar como jurados. Os advogados vão estudar os questionários da cada um dos candidatos para ver se os dois lados concordam em quais devem ser eliminados antes dos intensos interrogatórios que vão começar na segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.