Juiz descarta Larry King como testemunha de Jackson

O juiz do caso Michael Jackson decidiu hoje que não vai permitir que o apresentador da CNN Larry King testemunhe para a defesa do cantor, dizendo que o depoimento dele seria irrelevante.O juiz Rodney S. Melville tomou sua decisão depois de ouvir a versão de King para uma conversa com o advogado da família do acusador. Sem a presença do júri, King disse que o advogado Larry Feldman disse-lhe que a mãe do acusador estava sem dinheiro e se referiu a ela como "doida". Feldman testemunhou para a acusação e negou ter dito qualquer coisa sobre seus clientes, dizendo que "se alguém disser isto, estará mentindo". Depois de ouvir a versão de King, o juiz decidiu que não cancelaria o depoimento de Feldman e King deixou a corte.Feldman foi contatado pela família acusadora depois de deixarem o ranho Neverland pela última vez em 2003 e indicou-lhes o psicólogo Stan Katz, que denunciou as suspeitas de abuso.Ontem, um primo de Jackson de 12 anos, criticou o comportamento do acusador do astro e de seu irmão, dizendo que eles eram bagunceiros, que roubavam vinho e dinheiro de funcionários do rancho do cantor e assistiam, escondidos, a programas pornográficos de televisão enquanto se masturbavam.As declarações de Rijo Jackson se concentraram no comportamento que mostraram os dois irmão durante suas visitas a Neverland.A testemunha disse que em 2003 estava com os irmão em uma parte para convidados do rancho quando os dois ligaram a televisão e colocaram num programa que mostrava mulheres nuas e começaram a se masturbar. Os dois irmãos disseram que o primo de Jackson fizesse o mesmo, mas ele saiu da sala e foi contar para Jackson, que não acreditou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.