Juiz adia decisão sobre adoção de menino por Madonna

Um juiz do tribunal de Maláui adiou para o próximo dia 13 de novembro o exame do recurso apresentado pelos grupos de direitos humanos contrários à adoção do menino David pela pop star Madonna. Em audiência realizada nesta sexta-feira o juiz Andrew Nyirenda decidiu pelo adiamento para um melhor estudo do caso. Diante do tribunal, o pai do menino africano, Yohane Banda, insistiu, que apóia a atitude da cantora, e criticou os grupos de direitos humanos que querem impedi-la de levar adiante o processo. "Estou surpreso com o que essas pessoas são capazes de fazer", declarou Banda, referindo-se aos grupos. "Eu e minha família chegamos a um consenso sobre a adoção. Tudo o que quero é que essas pessoas me deixem em paz." A pop star e o marido, o cineasta Guy Ritchie, conseguiram a guarda provisória de David, de 1 ano e 1 mês. O Comitê Consultivo de Direitos Humanos, uma coligação de 67 organizações de Maláui, pediu ao juiz que cuida do caso, Andrew Nyirenda, que revise o processo de adoção para assegurar que as leis do país sejam cumpridas. Os grupos tentam impedir a estrela de adotar David sob a acusação de que, pela lei, pessoas que não residem no país devem ficar com a guarda da criança por um ano e meio ou dois, antes de conseguir uma custódia preliminar - que Madonna já obteve. David está em Londres desde o dia 17 Madonna e Ritchie ficaram oito dias em Maláui e conseguiram a guarda temporária do menino. Banda assinou os papéis permitindo que o filho fosse adotado e o juiz Andrew Nyirenda concedeu às celebridades a permissão para levar David para Londres. A criança chegou no dia 17 à mansão da "nova família" na capital britânica.Sobre a adaptação do menino em sua casa, a popstar contou: "David é incrível. O que está me surpreendendo é ver como meus filhos estão sendo ótimos com ele e como ele está respondendo bem à mudança". Madonna, mãe de Lourdes Maria, de 9 anos, e Rocco, de 6 anos, revelou que David, que já teve malária e tuberculose quando morava em Maláui, passa bem e tem muita saúde.Marita, a mãe de David e esposa de Banda, morreu aos 28 anos, um semana após dar à luz ao menino. Em dez anos de casamento eles tiveram outros dois filhos, que morreram na infância, vítimas de malária. Banda diz que grupos de direitos humanos o atormentam Na quinta-feira, em reação à aparição de Madonna no programa de TV The Ophah Winfrey Show, Banda declarou temer que as críticas ao ato da cantora façam com que ela desista do processo de adoção e pediu à popstar que não fique brava. "Essas pessoas (os grupos de direitos humanos) me atormentam todos os dias, me ameaçam, dizendo que não sei o que estou fazendo", declarou Banda. "Tenho medo que David seja enviado novamente para o orfanato e que o orfanato nem o aceite de volta. Aonde ele vai ficar? Aqui? (na vila de Lipunga). Ele vai certamente morrer".Banda tem se mostrado contraditório. Em entrevista à Associated Press no domingo, disse que as autoridades não haviam deixado claro que ele estava "desistindo" de seu único filho, quando assinou os papéis de adoção no início do mês. "Eu tinha dito aos grupos que eu não venderia meu filho. Eu disse que não seria capaz de vender meu filho por nada no mundo, mas que concordava com Madonna. Meus comentários foram publicados fora de contexto, e espero que Madonna não esteja brava", desabafou ele.No programa de Oprah, a cantora disse à apresentadora que não fez nada de errado, não usou sua fama para influenciar as autoridades de Maláui e que o que quer é oferecer a David uma vida melhor. A diva se mostrou assustada com o alarde em torno da adoção, segundo ela, por culpa da mídia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.