Juiz acusa defesa de Jackson de manipulação

O juiz do caso Michael Jackson disse hoje que pode fazer uma sanção contra o advogado de defesa Thomas Mesereau Jr. por manipular os termos segundo os quais Jackson dispensou seu privilégio de confidência com seu ex-advogado Mark Geragos."Sinto-me enganado pelo senhor Mesereau e eu estou considerando sanções de algum tipo", disse o juiz da corte superior Rodney S. Melville em uma audiência antes da retomada do depoimento de Geragos.Jackson dispensou o privilégio de segredo entre advogado e cliente apenas no período até sua prisão em novembro de 2003, mas esse limite só foi revelado quando Geragos o mencionou em seu depoimento na semana passada.A acusação e o juiz ficaram surpresos com a delimitação do período e, naquele momento, Mesereau desculpou-se, dizendo que acreditava que o período após a prisão fosse irrelevante.O advogado de defesa Robert Sanger argumentou hoje que tinha dado uma cópia da declaração ao promotor e ao juiz, mas, aparentemente, ela não havia sido lida. O juiz disse que isso não era relevante porque ele considerou que Mesereau havia manipulado o documento em seus declarações na corte. Os promotores argumentaram que Geragos deveria testemunhar sobre o período após a prisão por causa da manipulação, mas o juiz decidiu que Geragos apenas teria de testemunhar sobre o período permitido pelo documento.O juiz disse que poderia excluir o testemunho de Geragos dos arquivos, mas pensava que isso não era viável pois os jurados já haviam ouvido e certamente se lembrariam dele durante a deliberação.Geragos começou a depôr em 13 de maio, mas se ausentou por uma semana para que pudesse cuidar de outros casos. Quando seu depoimento recomeçou, o promotor Ron Zonen perguntou-lhe sobre a espionagem realizada sobre a família acusadora pelo detetive particular Bradley Miller, que trabalhava para ele.Zonen perguntou se Geragos havia pedido que Miller monitorasse a casa dos pais do acusador. Geragos disse ter dado ao detetive orientações gerais para observar a família, mas não havia pedido nada especificamente. "Eu disse ´descubra quem eles estão encontrando e o que estão fazendo´", disse Geragos, que afirmou temer que a família fosse a tablóides tentar vender histórias sobre Jackson e para depois iniciar um processo.A acusação mostrou fitas de vigilância que sugerem que Jackson e seus assistentes estavam planejando uma maneira de manter a família presa. A mãe do acusador testemunhou que temia que seus pais e seu namorado estivessem correndo perigo se ela não colaborasse.Ontem, a defesa de Jackson exibiu um vídeo com um passeio de Jackson por Neverland que o promotor Tom Sneddon classificou como "propaganda". A fita mostrou cenas idílicas de diversão na imensa propriedade do astro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.