Juanes reúne 70 mil pessoas em show 'Paz Sem Fronteiras'

Palco montado na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela reuniu Alejandro Sanz, Miguel Bosé, entre outros

Efe,

17 de março de 2008 | 15h19

O cantor colombiano Juanes disse que teve vontade de chorar ao ver o sucesso do show que promoveu no domingo, 16, na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, do qual participaram 70 mil pessoas e sete grandes artistas, para pedir a paz na região.   Durante mais de quatro horas o público assistiu a um espetáculo que reuniu os cantores espanhóis Alejandro Sanz e Miguel Bosé, o dominicano Juan Luis Guerra, o equatoriano Juan Fernando Velasco, o venezuelano Ricardo Montaner, e os colombianos Carlos Vives e Juanes, o anfitrião do show "Paz Sem Fronteiras".   "Foi a realização de um grande sonho", disse Juanes em entrevista à rádio Caracol, ao comentar o espetáculo promovido pela reconciliação entre Colômbia, Equador e Venezuela. Juanes destacou que "a mobilização dos cidadãos é muito importante". Disse ainda considerar importante que "os governantes saibam, entendam e vejam o que os governados pensam e sentem".   Da esq. para dir.: Miguel Bose, Carlos Vives, Ricardo Montaner, Juan Luis Guerra, Juanes e Alejandro Sanz no palco do show   A tensão entre Colômbia, Equador, Venezuela e Nicarágua cresceu após as tropas colombianas terem abatido em território equatoriano o guerrilheiro Luis Édgar Devia, conhecido como Raúl Reyes, o número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e outras 24 pessoas.   Após esse incidente, o Equador rompeu relações com a Colômbia, a Venezuela expulsou os diplomatas de seu país e enviou tropas do Exército à fronteira bilateral. A Nicarágua também anunciou ruptura com a Colômbia. Mas, durante a reunião do Grupo do Rio, ocorrida na República Dominicana no último dia 7 de março, os presidentes da Colômbia, Álvaro Uribe; do Equador, Rafael Correa; da Venezuela, Hugo Chávez; e da Nicarágua, Daniel Ortega, superaram as diferenças. O aperto de mãos entre os governantes na ocasião simbolizou a união da América Latina.   Público do show "Paz sem Fronteiras"  Fotos: Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.