Jovem Guarda gaúcha vai invadir o País

Uma nova jovem guarda está a caminho. Iniciada em cidades do Sul do País há mais de dez anos, seus acordes começam a soar alto. Artistas que se vestem como Renato e seus Blue Caps e falam de namoro no parque aos domingos aprontam-se para chegar a São Paulo. No início de abril, nomes ainda estranhos como Bidê ou Balde e Videohits se tornarão mais familiares. Eles aparecerão em programas de tevê e rádios para divulgarem músicas de seus primeiros discos. O Bidê lança Se sexo é o que importa, só o rock é sobre amor! e o Video estréia com Registro Sonoro Oficial.Uma espécie de neo Roberto Carlos também subirá a serra. Frank Jorge, 34 anos, nome jovem guardista de Jorge Otávio Pinto Pouey de Oliveira, chega para uma apresentação no bar Orbital, em São Paulo, dia 14 de abril, e para a abertura da edição paulistana do Abril Pró Rock, no dia 27. A cena roqueira do Sul o tem, unanimamente, como um ícone.Antes de tornar-se um tremendão do século 21, Frank formou a banda punk Prisão de Ventre, em 1984. Em 1988, redesenhou a jovem guarda com um grupo chamado Graforréia Xilarmônica, citado como referência por onze entre dez músicos gaúchos.Mas foi só há três anos que o cantor decidiu dar de ombros aos críticos que o consideravam um homem de Neanderthal. Depois de ouvir de um amigo que deveria deixar de ser tão saudosista, respondeu em uma canção: ?vou largar a jovem guarda e serei mais feliz / vou largar a jovem guarda por todo o País?. Foi quando passou a usar terno e gravata, deixou o cabelo esvoaçar e compôs um punhado de canções com letras irônicas e ingênuas.Frank ganhou este apelido no colégio por ser considerado um ser estranho que, nos intervalos, preferia ler livros a paquerar garotas. Ainda hoje, acredita que o movimento de Roberto e seus discípulos ainda tem muito a ser desvendado. ?Tem gente que nunca entendeu a jovem guarda. Pensam ainda que era a música de um punhado de jovens alienados sem nada a dizer.?Vai para o trono - No final de 2000, o lançamento de Carteira Nacional de Apaixonado, seu primeiro disco-solo, o colocou no trono. Pela crítica local, foi recebido como um digno rei do neo iê-iê-iê. ?Trata-se do mais criativo compositor do rock brasileiro atual?, disse o crítico Fernando Rosa, do site especializado em música, Senhorf.Se Frank é Roberto, Marcelo Birck é Erasmo. Também porto alegrense, Birck estava ao lado de Frank quando a história começou, no Graforréia. Depois da separação, seus trabalhos-solo e com a banda ultra jovem guardista Os Atonais o elevaram ao mesmo patamar do parceiro. ?A mídia está descobrindo a gente agora, mas já estamos nesta história há uns quinze anos?, conta. Birck, como Frank, não se prende à estética sessentista. Mesmo fundadas na ingenuidade do passado, suas canções, curiosamente, soam atuais.Com ou sem preconceito, apoiados ou não pela mídia, eles se multiplicam pelos pampas como coelhos. O septeto Videohits é uma das crias confessas do Graforréia Xilarmônica. Usa tecladinhos, coros com garotas cantando lá-lá-lá e frases do tipo ?quero te convidar pra ir/no Joe Aipim/só eu e você/agora sim/te pego às nove com o furgão/rolando Naim/vai ser tão bom.?Um reforço da velha jovem guarda coloca o grupo em destaque. Ronnie Von, um dia ídolo do líder da banda, Diego Medina, virou parceiro na gravação de Silvia 20 horas Domingo. A canção foi descoberta por Medina no disco Ronnie Von, de 1968. ?Quando saímos de estúdio, não sabia se chorava, se sorria, se gritava?, conta Medina.Com guitarras mais distorcidas, o Bidê ou Balde se aproxima dos sessentistas pelo humor e pela produção visual. Também um septeto, como o Videohits, os homens aparecem de terninhos e as duas garotas usam saias coloridas e botas. Mesmo sem negar as influências dos 60?s, Carlinhos Carneiro, vocalista e um dos compositores do grupo, não gosta de ter seu trabalho vinculado a uma época específica. ?Não gosto desse papo de anos. Quando fazemos música, não pensamos em soar de acordo com padrões.?Pensada ou não, a aparição de uma jovem guarda contemporânea é evidente. Uma rápida volta por outras cidades do Sul ? a meca do neo iê-iê-iê ? é suficiente para se descobrir amantes dos tremendões. Em Chapecó, Santa Catarina, há a Banda Repolho; em Curitiba, a Emilio e Mauro e, ainda em Porto Alegre, a Laranja Freak e a Ultramen. São os ventos que sonham em trazer de volta os embalos de sábado à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.