Joss Stone brilha em show em SP e promete: 'Eu vou voltar'

Com microvestido branco e cabelos cacheados, cantora inglesa emocionou fãs e agitou plateia no HSBC Brasil

Ítalo Reis, estadao.com.br

23 de novembro de 2009 | 11h18

 

SÃO PAULO - Joss Stone pisou nos tapetes persas espalhados pelo palco com seus pés descalços - como sempre faz - pouco antes das 22h deste domingo, 22, usando um microvestido branco colado ao longilíneo corpo e com cabelos cacheados. A única coisa que havia mudado da noite anterior, durante a apresentação no Rio, era o penteado - as roupas, tanto dela quanto do restante da banda, a decoração no chão e a bandeira do Brasil no pedestal do microfone eram os mesmos.

 

Assim como em seu novo CD, Colour Me Free, que volta à sonoridade da estreia da inglesa no mercado musical, Joss abriu o show em São Paulo, no HSBC Brasil, com Super Duper Love, do seu primeiro álbum, The Soul Sessions. Os fãs, já agitados pela abertura digna feita pela brasileira Ana Canãs, explodiram ao reconhecer os primeiros acordes tocados, muito bem, pela equipe da jovem cantora.

 

Simpática, Joss sorria cada vez que a plateia respondia a ela nos refrões ou cantava mais alto. Colada na primeira música veio Could Have Been You, do disco lançado recentemente pela EMI. O público que assistia a cantora era o mais variado possível: casais de meia idade, casais jovens, pessoas sozinhas, grupos de fanáticos, mulheres elegantes, com saltos altos e bolsas grandes, homens com camisas e sapatos sociais, jovens de tênis e sacolas de pano. Apesar das diferenças, o único propósito deles era apreciar o vozeirão da inglesa de 22 anos.

 

Antes de uma verdadeira pausa, Joss cantou ainda Lady e tentou manter sua compostura ao falar de um homem irresistível. Durante uma das pausas, as curvas da inglesa no microvestido arrancaram alguns "fiu-fiu" dos homens na plateia, o que fez Joss se retrair, dar risada e esconder o rosto com a mão, tímida. Comportamento de uma verdadeira donzela.

 

 
 Alex Silva/AE

Depois foi a vez de Parallel Lines, que animou um pouco mais as cerca de 3 mil pessoas que enchiam a casa. A cantora fez uma pequena pausa para beber algo que estava numa xícara branca - provavelmente chá - e voltou para frente do palco para conversar com o público no prelúdio de Music. Disse que adorava o fãs brasileiros, que praticamente uivaram ao ouvir isso.

 

Os admiradores levantavam a mão numa tentativa de tocar o ídolo, que parecia resistir à tentação de descer e se juntar à multidão. Durante a apresentação, Joss pegou uma rosa da mão de uma das pessoas coladas na grade. Outros presentes não faltaram: jogaram um urso de pelúcia, uma camiseta com um desenho da cantora, uma bolsinha de pano, cartas, um embrulho em papel de presente e uma bandeira do Brasil, a qual ela enrolou rapidamente no corpo, como se fosse um vestido, para em seguida tirar. A inglesa abraçava cada mimo que recebia e levava para o fundo do palco, enquanto outros tantos foram recolhidos por uma de suas backing vocal.

 

Depois de cantar Put Your Hands on me Baby e Baby, baby, baby, Joss mostrou para o público brasileiro o porque de ela ser comparada a estrelas como Aretha Franklin e Janis Joplin. Com microfone no pedestal, ela apresentou Girlfriend on Demand, uma balada poderosa, com sua voz grave e agradavelmente rouca. Após um dos agudos, o público ovacionou e gritou o nome da cantora, que às vezes ficava tímida com o calor da plateia.

 

Em Free Me e Incredible, Joss requebrou pelo palco com todo o gingado soul e acompanhou o ritmo dos instrumentos, fosse do solo de guitarra ou do de trompete e saxofone, e finalizou com Tell me 'bout It, deixando espaço para apresentar cada um dos integrantes da banda. A cantora deixou o palco com o público gritando e batendo palmas, pedido por mais. Dois minutos depois, ela voltou e atendeu os fãs, cantando The Chokin' Kind e um pequeno trecho de Dirty Man, após ver um cartaz e o pedido desesperado de uma fã. Ela se preocupava com medo de errar a letra, mas fez bem e emocionou a todos.

 

Para fechar em grande estilo, Joss cantou um pequeno trecho de No Woman No Cry e começou a distribuir algumas das dúzias de rosas que pediu à produção para a plateia. E antes de deixar o palco definitivamente, ela prometeu aos fãs "Eu vou voltar".

 

Esforço de fã

 

Assim como a voz de Joss, os fãs dela têm um ritmo mais compassado. Na fila, centenas de pessoas aguardavam, mas aparentemente, sem muita histeria. Até mesmo na plateia, eles parecem se comportar de maneira diferente e gritam em momentos certos e calam-se na hora que precisa. Mesmo assim, como qualquer fã de verdade, eles preparam surpresas para agradar a inglesa e, ao contrário dos outros, também mostram apreço pelo restante da banda, principalmente os trio de backing vocals.

 

Camisetas e rosas, como as que foram entregues, estão entre os itens preparados pelos admiradores. A design gráfica Jaqueline Barbosa, moradora de Indaiatuba, no interior de São Paulo, desenhou a estampa do Liverpool, time de coração de Joss, para uma baby lock. Além disso, a jovem é responsável também pelo principal fansite da cantora. "É muito gratificante", afirma, apesar do trabalho que tem.

 

Uma das primeiras da fila, e consequentemente da grade, Jaqueline também assistiu a apresentação da cantora no Rio, onde chorou emocionada. "Por isso estou com essa cara de cansada". Mesmo assim, foi cedo para ser uma das fãs a ficar no gargalo, o mais próximo possível do ídolo e, assim, assistir ao show feliz.

 

 

Último dia

 

Joss Stone se apresenta no Brasil pela ultima vez nessa turnê hoje à noite, em Curitiba. Só sobraram entradas para as poltronas da plateias Superior (R$ 254) e Inferior (R$ 304). Depois ele segue com apresentações na Jamaica e Holanda.

 

Teatro Positivo

Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300

Campo Comprido - Curitiba (PR)

Tel.: (41) 3317-3000

 

Set List

 

01. Super Duper Love (The Soul Sessions)

02. Could Have Been You (Colour Me Free)

03. Lady (Colour Me Free)

04. Parallel Lines (Colour Me Free)

05. Music (Introducing Joss Stone)

06. Put Your Hands on Me (Introducing Joss Stone)

07. Baby, baby, baby (Introducing Joss Stone)

08. Girlfriend on Demand (Colour Me Free)

09. Free Me (Colour Me Free)

10. Tell me What We're Gonna do Now (Introducing Joss Stone)

11. Fell in Love With a Boy (The Soul Sessions)

12. Incredible (Colour Me Free)

13. Tell me 'bout It (Introducing Joss Stone)

14. Chokin' Kind (The Soul Sessions)

15. Dirty Man (The Soul Sessions)

16. Big ol' Game (Colour Me Free)

17. No Woman no Cry (Cover)

 

Atualizada às 11h52 do dia 25/11 para alteração de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.