Jornalistas são proibidos de falar na corte de Jackson

Na mais nova restrição para os órgãos de imprensa que estão cobrindo o caso Michael Jackson, autoridade impuseram uma nova e incomum regra para jornalistas e membros do público presentes nas audiências: está proibido falar na corte, até mesmo antes do início dos procedimentos. Jornalistas reclamaram há um tempo do modo com o caso em que o cantor é acusado de abuso sexual vem sido mantido sob sigilo, o que inclui dificultar acesso da imprensa a audiências, não revelar a identidade dos ditos conspiradores de Jackson, uma ordem de silêncio imposta ao advogados, e a não divulgação de nenhum documento sem a ordem do juiz. Membros da mídia e do público, inclusive fãs de Jackson, foram avisado hoje pelas autoridades que eles poderiam ser expulsos da corte por até mesmo conversar com alguém ao lado. Um fã de Jackson foi expulso pelos oficiais por falar com uma pessoa momentos depois de ela entrar na sala. Ainda hoje, Melville disse que não permitiria que os planos de começar o julgamento em janeiro fosse atrapalhados pelas reclamações dos advogados de defesa de que os promotores não estão compartilhando as provas em tempo suficiente para uma análise. "Não é do interesse de ninguém prolongar este litígio. Estou falando sério", disse Melville.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.