Jongo é destaque no fim de semana em SP

O jongo é um dos pais do samba, talcomo o compreendemos hoje. Também chamado de caxambu, veio parao Brasil com os negros bantus do Congo e de Angola, eestabeleceu seu domínio no Sudeste, principalmente no Estado doRio. É diretamente do jongo que vem a música que Martinho daVila faz ainda hoje, que Jorge Ben Jor fez no início da carreira, que Clementina cantou a vida inteira, que marcou a primeirafase de Cartola - e assim por diante.A documentação sonora do jongo tradicional é quasenenhuma. O Itaú Cultural promove, amanhã e sábado, olançamento do livro-CD Jongo da Serrinha, gravado ao vivo,em março do ano passado, no quintal de Tia Maria do Jongo, noMorro da Serrinha, em Madureira, Rio, um dos últimos redutos dejongueiros autênticos. Jongo da Serrinha foi idealizado porMestre Darcy do Jongo, que morreu antes de ver o livro-CDeditado, com suas 60 páginas de textos (que contam a história dogênero e das famílias que o cultivam) e fotos (das festas dosjongueiros da Serrinha).Os espetáculos de lançamento contam com dançarinos,músicos e cantores da ONG Centro Cultural Jongo da Serrinha e comemora, ainda, o centenário deVovó Maria Joana, mãe de mestre Darcy. Termina com sambas daescola Império Serrano, que foi fundada, em 1947, por Tia Mariado Jongo, também líder do Jongo da Serrinha.Cultura de raiz ainda no Centro Cultural Banco do Brasil, que apresenta, de amanhã a domingo, o espetáculo Cortejode Maracatu Nação, com mestres pernambucanos do MaracatuEstrela Brilhante. Gênero também de origem africana, o maracatué sincrético e, na modalidade escolhida para ser apresentadaaqui, celebra a coroação de reis e rainhas do Congo e dePortugal. A direção musical é de Renata Amaral e Éder O Rocha,ele do grupo Mestre Ambrósio.O Villagio Café, já conhecido como embaixada do samba emSão Paulo, recebe amanhã e sábado Tia Surica, memória vivada Portela, acompanhada pelo Quinteto em Branco e Preto. Tambémamanhã e sábado, no Supremo Musical, Lucinha Lins divide opalco com o gaúcho Geraldo Flach. Lucinha está com disco novo, asair em novembro, pela Biscoito Fino, cantando só Sueli Costa.Mostrará parte do repertório no Supremo, acompanhada pelo pianode Geraldo.Disco novo, o de estréia, lança sábado, no TeatroBrincante, o grupo de percussão corporal Barbatuques. Finalistado último Prêmio Visa, a ótima Lucila Novaes faz prévia, amanhã e sábado, em locais diferentes, do lançamento de seusegundo CD, Claridade (Lua Discos). E, sim, chances ainda dever ou rever Djavan, no belo show Milagreiro, ou de ver eouvir João Bosco, voz e violão, e precisa mais?Barbatuques. Sexta e sábado, às 21 horas; edomingo, às 19 horas. R$ 7,00 (estudantes) e R$ 15,00. TeatroBrincante. Rua Purpurina, 428, tel. 3034-5389. Até 22/9.Djavan. Sexta e sábado, às 22 horas; e domingo, às20 horas. De R$ 25,00 a R$ 80,00. Credicard Hall. Avenida dasNações Unidas, 17.955, tel. 6846-6000. Até domingo.João Bosco. Sexta e sábado, às 21 horas; e domingo às 19 horas. De R$ 40,00 a R$ 50,00. Teatro do Colégio SantaCruz. Rua Orobó, 277, tel. 3024-5199. Até domingo.Jongo da Serrinha. Sexta e sábado, às 19h30.Entrada franca (os ingressos devem ser retirados com 1h30 deantecedência). Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, tel.3268-1777.Lucila Novaes. Sábado, às 16 horas. Entrada franca.Biblioteca Alceu Amoroso Lima. Rua Henrique Schaumann, 777, tel.3082-5023; e domingo, às 18 horas. Entrada franca. LivrariaCultura/Shopping Villa-Lobos. Avenida das Nações Unidas, 4.777,tel. 3024-3599.Lucinha Lins e Geraldo Flach. Sexta e sábado, às22 horas. R$ 25,00. Supremo Musical. Rua Oscar Freire, 1.000,tel. 3062-0950.Maracatu Estrela Brilhante de Recife. Série "Ponto Art"Br. Sexta, às 17 horas; sábado e domingo, às 15 horas.Entrada franca. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua ÁlvaresPenteado, 112, tel. 3113-3651. Até domingo.Tia Surica da Portela. Sexta e sábado, às 22horas. R$ 15,00. Villaggio Café. Praça Dom Orione, 298, tel.251-3730.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.