João Gilberto, resignado, está de volta ao Brasil

Quase um ano após o show de inauguração do Credicard Hall, em que protagonizou uma das mais hilárias cenas da música popular brasileira ao mostrar a língua para o público paulistano, João Gilberto está de volta a São Paulo. O músico, há anos em auto-exílio na meca cultural Nova York, parece ter se esquecido do fatídico show, em setembro de 1999. Na época, disse que não mais voltaria à capital paulista, porém, nesta sexta, sábado e domingo se apresenta na Tom Brasil. Vem de uma série de espetáculos por algumas das mais importates cidades do mundo, entre elas, Nova York, Londres e Barcelona. Volta ao país para mostrar a todos, quer queiram quer não, que sua importância para a MPB não foi construída apenas de efemérides e situações engraçadas. Além de arredio, João é o inventor da "batida da bossa nova", que influenciou nove entre dez músicos populares de todo o mundo. Avesso à entrevistas e badalações desde os tempos em que ainda era crooner de um conjunto vocal nordestino em meados dos anos 50, quando chegou ao Rio de Janeiro atrás de fama e fortuna, João Gilberto ultimamente vem mudando sua postura. No mês passado abriu as portas de sua casa para a reportagem da revista Caras. Foi até fotografado de pijama. São outros os tempos. Mesmo que ele se mostre comedido, seus shows são sempre grandes eventos, concorrem somente com os das grandes estrelas internacionais. Na verdade, João gosta de grandes espetáculos e de marcar presença em grande estilo. Recentemente se apresentou no Carnegie Hall, no 28º JVC Jazz Festival em NY, após dois anos de ausência. Por este show, recebeu as melhores críticas dos principais periódicos americanos. Posteriormente tocou no Festival Brasil 500, promovido pela embaixada brasileira em Londres, o maior evento de divulgação da cultura brasileira já realizado no Reino Unido. No Brasil, além de na inauguração do Credicard Hall, foi o astro principal do lançamento da Tom Brasil, palco que já tocou por quatro vezes. Aliás, o show deste final de semana também é especial. Trata-se da comemoração de 5 anos da Tom Brasil, que se responsabilizou por promover o reencontro de João com a platéia paulistana. João is João ? Situações cotidianas, engraçadas e típicas de comédias italianas, vêm assolando João Gilberto. No recente show no Carnegie Hall, entrou atrasado no palco e foi embora antes do previsto. A explicação: ao sair do hotel em que estava hospedado, percebeu que colocara os óculos errados. Ao voltar para trocá-los, descobriu que esquecera as chaves dentro do quarto. O que ocorreu posteriormente foi o que atrasou o show do cantor e compositor baiano. Pior para as 2.800 pessoas que esperavam por ele, e que pagaram cerca de US$ 300 para assistir ao espetáculo. Mas como apontou Tonica Chagas em crítica a O Estado de S. Paulo, parafraseando o produtor americano George Wein, João is João, e apenas por isso vale conferir seus espetáculos. João Gilberto ainda não adiantou o repertório do show deste fim de semana. Mas o departamento de divulgação da Tom Brasil, em comunicado oficial à imprensa, divulgou que ele guarda nas mangas algumas surpresas. Caso repita o repertório de Nova York, não faltarão Doralice, O Pato, Samba de Uma Nota Só e Corcovado, entre outras composições clássicas de seu repertório. Para lá, estava prevista também a apresentação de Garota de Ipanema, o que acabou não ocorrendo.João Gilberto ? sexta e sábado às 22h, domingo às 20h na Tom Brasil (Rua das Olimpíadas, 66, Vila Olímpia); Ingressos: Setor Vip R$80; Setor 1 R$ 60; Setor 2 R$ 40; Camarote R$ 100; Frisa A R$ 50; Frisa C R$ 30; Informações: 3845-232.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.