João Carlos Martins em dose tripla

O pianista brasileiro João CarlosMartins está de volta às lojas brasileiras com três discos. Doissão reedições: Bach for Christmas e Bach/Chopin - OsPrelúdios (com a participação de Arthur Moreira Lima). O outro, João Carlos Martins Interpreta Haydn e Mozart, últimogravado por ele antes de perder definitivamente os movimentos damão direita, é lançado pela primeira vez.O pianista também celebra o início das filmagens de umdocumentário dedicado a sua vida, a ser rodado em diversospaíses. "Fiquei muito feliz com a edição do disco com assonatas de Haydn e Mozart. Foi algo que fiz para mim, para minhafamília, meus filhos, netos, e me emociona saber que o discoagora vai chegar às pessoas", diz Martins.Gravado em setembro de 2000, o disco traz, de Mozart, assonatas K330 e K545 e as Variações sobre um Minueto deDupor. E, de Haydn, as sonatas em mi menor e em fá maior.A idéia da gravação, como conta o presidente da LaborRecords, Heiner Stadler, surgiu do próprio Martins. Após aúltima cirurgia realizada em sua mão direita, os médicoscomunicaram que seu dedo médio perdera a mobilidade e que, emalguns meses, o mesmo aconteceria com toda a mão. Martins, então, decidiu que, se alterasse o dedilhado e mudasse algumaspassagens para a mão esquerda, poderia ainda gravar as peças deMozart e Haydn, como programado.Os outros dois discos do pacote que chega às lojasmostram o pianista interpretando obras de um dos compositoresaos quais é freqüentemente associado: Bach. Basta dizer queMartins gravou toda a obra para teclado do compositor, 19 CDsque devem ser relançados ao longo dos próximos anos.Com o Natal como tema, Bach for Christmas é o únicodisco gravado por Martins com obras de Bach transcritas porBusoni, Siloti, Myra Hess e Wilhelm Kempf. Há também um arranjodo brasileiro Almeida Prado da famosa Ária da Quarta Corda.Telefonema - Já Bach/Chopin - Os Prelúdios surgiucom um telefonema, no final da década de 70. Arthur Moreira Lima de Israel, ligou para Martins, em Nova York. Os doisconversaram e, depois de algum tempo, resolveram desenvolvertrabalhos juntos, o que fizeram em algumas ocasiões.Martins conta, no entanto, que certo dia na casa de TomJobim, surgiu a idéia de intercalar os prelúdios de Bach eChopin. Por mais ousada que pudesse parecer a iniciativa, osdois marcaram um concerto para setembro de 1981 em Nova York. Aordem dos prelúdios só foi decidida duas horas antes de ospianistas entrarem no palco. E o resultado foi aplaudido tantopelo público quanto pela crítica especializada norte-americana.Desse recital, resultou o LP que agora chega às lojas em CD.Novos trabalhos - Mesmo com a paralisia da mão direita,João Carlos Martins hesita em deixar os palcos e os estúdios degravação. E, enquanto explora o repertório existente para mãoesquerda - como o célebre Concerto para Mão Esquerda deRavel, que ele lançou no ano passado - também está fazendotranscrições de algumas obras, além de ter encomendado novaspeças escritas especialmente para a mão esquerda.Ele espera, no ano que vem, poder gravar um discodedicado à música brasileira, com peças encomendadas por elepara autores como Almeida Prado, Amaral Vieira, Mario Ficcareli,Heitor Alimonda e Sérgio Vasconcellos. E, quem sabe, voltar aosnosso palcos, após 18 anos de ausência.Antes disso, porém, ele parte para os Estados Unidos,onde será iniciada a filmagem de um documentário sobre sua vida,um dos três projetos escolhidos para um programa especial depatrocínio da União Européia. Com patrocínio da FilmstiftungNordrhein Westfalen, o filme terá cerca de 90 minutos e delefarão parte cenas históricas de recitais seus desde a década de1960 até 2000. Martins também tocará com a Royal Philarmonic deLondres em julho, momento que deve encerrar o documentário."Meu destino é, sempre foi, a música. As dificuldades,em alguns casos, nos fazem amadurecer. Não sei bem, sinto quepreciso encarar meu destino. Enquanto tiver um dedo funcionando,vou dar um jeito de tocar. Tenho consciência de que tudo o quetenho feito significa, para mim, uma grande vitória pessoal. Esou feliz por isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.