Jimi Hendrix ressuscita na Internet

Jimi: "Alô, tudo bem meu chapa? Você está falando de onde?" E.T.: "Estou nas imediações e você?" Jimi: "Estou no planeta Terra. Você conhece?" O som é cristalino e a impressão nítida é que Jimi Hendrix está vivo dentro do nosso computador, falando, falando, falando sem parar. É uma das "rádios" Hendrix. Como se sabe, depois de um embate judicial de décadas entre a família Hendrix e um bando de vampiros estelionatários, que em meados dos anos 60 agarraram na carótida do músico que morreu sem receber um centavo de seus direitos autorais, a família recuperou tudo. Foi uma engenharia jurídica que se arrastou por 30 anos. Al Hendrix, pai de Jimi, e as irmãs do músico montaram então um portal na Internet (www.jimi-hendrix.com) , enquanto vasculhavam milhares de quilômetros de fitas, além de fotos, filmes, vídeos, tudo o que Jimi fez. A boa notícia é que o trabalho ainda está na metade. Entre as preciosidades garimpadas pela família Hendrix estão 20 horas de "programação" de uma rádio que Jimi fez nos estúdios da vida, sempre na gozação, na brincadeira. Quem acessa o site pode ouvir esse material em som cristalino, e até se sente meio estranho porque a impressão é a de que o maior guitarrista de todos os tempos está na nossa frente. Mais: a família, através do selo Dagger, autorizou a venda de três gravações piratas do músico, remixadas e remasterizadas para CD: Morning Simphony Ideas, Live at Clark University e Live at Oakland Coliseum. Perto desses discos, a bomba de Hiroshima parece estalinho de São João. Em sua rádio, Jimi, sempre na gozação, fala de si, de ETs, do concerto de Woodstock (ele fica o tempo todo dando coices no baixista Billy Cox, sucessor do devastador Noel Redding. Cox era muito devagar para seu gosto), do lendário show no Filmore East, além de lançamentos de discos, entrevistas; enfim, não há limites, já que Hendrix e Internet desconhecem a palavra limite. Quem já leu, ouviu ou assistiu a entrevista de Jimi Hendrix sabe que ele gostava de falar muito, e suas respostas envolviam, invariavelmente, temas como paz, racismo, hipocrisia e afins. Um dia, num programa de TV americano estilo Gugu, o apresentador perguntou se ele, Hendrix, não achara uma loucura o fato de ter incendiado uma guitarra no festival de Monterey. Como um siri na lata, irado, Hendrix metralhou o apresentador dizendo que "loucura é jogar napalm no Vietnã". Foi nesse portal que a família Hendrix angariou fundos para a construção de um memorial em homenagem ao músico no 30.º aniversário de sua morte, ano passado. O memorial foi construído e hoje é um ponto de reverência turística na cidade de Seattle, onde Jimi nasceu. O pai Al ficou surpreso com a quantidade de contribuições que recebeu do Brasil, pois por aqui as gravadoras pouco ou nada fizeram para divulgar a obra de Jimi em vida. Os fãs, esses sim, trataram de fazer um monumental "boca a boca" pela nação berrando que em 1967 tinha chegado ao mundo do disco o melhor guitarrista de todos os tempos. Aliás, sobre o surgimento de Hendrix, Pete Townshend (Who) sempre conta que uma vez seu telefone tocou e era Eric Clapton chamando-o para irem ao cinema, em plena era do "Clapton is God" pichado em todos os muros de Londres. Foram. Dentro do cinema, Clapton perguntou a Townshend: "você já está sabendo do guitarrista negro norte-americano, Jimi Hendrix?". Coincidência ou não, quando o próprio Eric Clapton fez questão de levar Hendrix para se apresentar em Londres (cidade que detonou sua consagração) o povo não pichou mais "Clapton is God" nos muros. Além de discos, vídeos, DVDs, o portal oficial de Jimi Hendrix está vendendo relógios, camisetas, livros, uma rara enciclopédia, e a cada dia entram coisas novas. A família Hendrix está obcecada em manter viva a chama de Jimi e está prestes a ganhar outra batalha judicial. Morto por indolência médica em Londres, a família conseguiu reabrir o inquérito sobre a morte do músico, que, equivocadamente, muitos julgam vítima de overdose de heroína. Na verdade, Hendrix dormia na casa da namorada Monika Danemann e passou mal. Ela ligou para Eric Burdon (The Animals), o melhor amigo de Jimi que acionou uma ambulância. Os médicos colocaram Jimi sentado na ambulância, com a cabeça virada para trás. Conclusão: morreu dentro da ambulância asfixiado pelo próprio vômito. A família está pedindo uma gorda indenização, que será integralmente investida no portal de Jimi Hendrix na Internet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.