John Davisson/Invision/AP
John Davisson/Invision/AP

Jerry Lee Lewis recebe alta e começa tratamento após sofrer AVC

Problema de saúde forçou Lewis, de 83 anos, a cancelar algumas aparições, incluindo uma em 28 de abril no New Orleans Jazz Festival

Steve Gorman, Reuters

19 de março de 2019 | 13h01

O pioneiro do rock Jerry Lee Lewis recebeu alta de um hospital e foi transferido para um centro de tratamento em Memphis, no Tennessee, duas semanas após sofrer um AVC, disse seu assessor na segunda-feira, citando o médico do cantor.

No entanto, o problema de saúde forçou Lewis, de 83 anos, a cancelar algumas aparições, incluindo uma em 28 de abril no New Orleans Jazz Festival, um show em 18 de maio no Tennessee Theatre, em Knoxville, Tennessee, e um compromisso em 8 de junho no Birchmer, em Alexandria, Virgínia, disse o porta-voz Zack Farnum.

Farnum mencionou o neurologista do cantor, Rohini Bhole, dizendo que o prognóstico para Lewis era promissor após ter sido hospitalizado por um derrame há duas semanas.

“Jerry Lee deve se recuperar totalmente com um tratamento agressivo e intensivo”, disse Bhole. “Pelo que vi até agora, ele está indo na direção certa.”

Farnum disse que o hospital e o centro de tratamento ficam em Memphis, a cerca de 32 quilômetros ao norte da atual fazenda de Lewis em Nesbit, Mississippi.

Foi em Memphis que Lewis iniciou seu envolvimento com o mercado de gravação, na Sun Records, nos anos 50, ao lado de nomes como Elvis Presley, Carl Perkins e Johnny Cash.

Lewis, apelidado de “The Killer”, estava entre os primeiros músicos introduzidos no Hall da Fama do Rock, e seu estilo de piano estridente em hits como Great Balls of Fire e Whole Lotta Shakin ‘Goin’ On foi essencial para moldar o som inicial do rock.

Mas sua carreira também foi ofuscada por escândalos, incluindo um casamento quando tinha 20 e poucos anos com sua prima de 13 anos, um disparo acidental de arma de fogo em seu baixista em 1976 e disputas com o Fisco norte-americano.


 

Mais conteúdo sobre:
Jerry Lee Lewis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.