Jennifer López diz que Marc Anthony desperta sua raiz latina

A cumplicidade íntima e musical de Jennifer López com seu marido, o salseiro Marc Anthony, aproximou a atriz e cantora das suas verdadeiras raízes latinas, segundo confessou nesta quinta-feira a artista à imprensa. Seu novo disco, Como Ama Una Mujer, é o "primeiro" dos dois como casal, o primeiro da cantora em espanhol e o primeiro de Marc como produtor de outro artista. A produção é de Anthony e do colombiano Julio Reyes, e segundo Jennifer, "mostra como sou e como amo", disse. Após três anos de preparação, Jennifer divulgou o álbum à imprensa internacional no Temple House, uma antiga sinagoga transformada em clube privado em Miami Beach, usando um vestido branco curto e saltos de plataforma. Sem câmaras nem fotógrafos, por desejo expresso da artista, ela cantou Qué Hiciste, canção que já toca nas rádios e que é parte de um DVD. "É uma mensagem especial, a história é uma representação do que passa uma mulher latina muitas vezes, quando o amor se confunde com excesso de confiança", disse o salseiro porto-riquenho Marc Anthony, que vestia roupa de vaqueiro, botas, camisa e um casaco de couro preto. A canção é um pop-rock com toques de flamenco. Volta às raízes "Foi sensacional porque ele é muito apaixonado. Aprendi muito no processo de gravação. Marc acredita muito em mim. Com ele eu descobri a mim mesma e o que eu queria fazer musicalmente", disse à Efe a artista. Jennifer López afirmou que o novo disco "tem muito do artista que é Marc Anthony" Sobre seu retorno às raízes porto-riquenhas e latinas, insistiu que "tudo foi muito orgânico, não houve nada planejado, nem é uma estratégia". Segundo a cantora e atriz de 37 anos, cantar em espanhol foi algo natural. "Muita gente se surpreende, já que não cresci falando espanhol, mas com os anos melhorei. Não falo espanhol em minha vida diária, mas cantar foi natural", acrescentou. A promoção do disco está seguindo um cuidadoso planejamento. Será lançado nos Estados Unidos e na América Latina em 3 de abril e chegará à Europa em março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.