Divulgação
Divulgação

Jennifer Lopez abre sábado temporada das milionárias em turnê no Brasil

No topo da lista da Forbes das celebridades mais poderosas do mundo, cantora se apresenta no Pop Music Festival, que também terá a socialite e DJ Paris Hilton

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2012 | 20h00

Fenômenos financeiros antes mesmo que artísticos, elas dominam o cenário do pop há algumas décadas. Duas delas estarão no palco do Anhembi neste sábado, para o Pop Music Festival: Jennifer Lopez (que encabeça a lista da revista Forbes como a mais poderosa celebridade do ano, com US$ 54 milhões de faturamento em 12 meses) e Paris Hilton (DJ, celebridade, cantora, fashionista), cuja fortuna é estimada em US$ 100 milhões. 

Jennifer Lopez domina como poucas a máquina das novas mídias: possui 6,6 milhões de seguidores no Twitter e 12 milhões de fãs no Facebook. “Meu trabalho é o de levar entretenimento ao mundo”, disse a cantora ao Estado. Parece ser um dos pré-requisitos para entrar nesse clube - saber como explorar a hiperexposição, mas também saber como direcionar a curiosidade alheia. Paris Hilton, por exemplo, antes de dar entrevista por telefone, pede as perguntas por escrito para vetar algumas.

Em novembro, deve baixar por aqui Lady Gaga, para um show no Morumbi (possivelmente no dia 11, mas isso ainda não está confirmado). Gaga faturou US$ 52 milhões no último ano. No mês seguinte, chega a hidra ambulante de Madonna, um circo que roda o mundo com 300 pessoas. Madonna é dona de uma fortuna estimada em US$ 500 milhões, e sua novíssima turnê por 32 países deve levá-la ao topo da lista da Forbes no ano que vem.

O empresário de Madonna, Guy Oseary, conta que o segredo do sucesso de uma turnê está em não se manter demasiadamente afastado do principal, o público. Ele diz que se posta à frente dos concertos e observa o comportamento da plateia. “Ouço suas queixas a respeito de coisas como segurança, serviços”, diz. E depois - além de escolher pessoalmente os fãs que ficam no círculo central entre as passarelas, o local mais privilegiado - ele age para que se operem as mudanças.

O ramo de “live concert” ficou tão detalhista e lucrativo que os astros do pop deixaram as celebridades do cinema e da TV para trás no ranking deste ano da Forbes - que não envolve só o faturamento, mas também a capacidade de exposição em mídias diversas e o impacto de suas aparições. Depois de Jennifer, ostentam números astronômicos seus colegas Justin Bieber (US$ 55 milhões faturados em 12 meses); Rihanna (US$ 53 milhões); Britney (US$ 58 milhões); Katy Perry (US$ 45 milhões).

A saúde financeira do pop internacional se reflete ainda na profissionalização e nos lucros das empresas que operam no setor - e o Brasil é um dos mercados em expansão. A companhia que está trazendo a primeira turnê internacional de J-Lo é a XYZ Live, hoje com mais de 100 funcionários, 2 mil colaboradores e mais de 100 grandes shows confirmados para 2012.

A maior empresa do ramo é a T4F (que realiza a turnê de Madonna e deve confirmar a de Lady Gaga), que teve um crescimento extraordinário no ano passado. Em 2011, a empresa fez a abertura de capital na BM&F Bovespa, com oferta inicial de ações de R$ 503 milhões.

No setor exclusivo de shows ao vivo, a T4F pilotou 396 apresentações e vendeu mais de 2 milhões de ingressos no ano passado, o que representou um crescimento de 14% (ante as 348 apresentações e 1,8 milhão de ingressos de 2010). A receita líquida cresceu 19% em relação a 2010, alcançando R$ 261 milhões em 2011 - entre os shows realizados, U2, Pearl Jam, Aerosmith, Britney Spears, Guns’n’ Roses, Ozzy Osbourne, Judas Priest & Whitesnake, Red Hot Chili Peppers, e turnês internacionais indoor de grandes nomes como o ex-Beatle Ringo Starr, Avril Lavigne, Ricky Martin, Tears for Fears, entre outros. 

No total, a T4F vendeu mais de 3 milhões de ingressos no ano passado, consolidando-se como líder do entretenimento na América Latina. Considerando faturamento bruto, de acordo com o ranking Top 25 Promoters divulgado recentemente pela revista Billboard, é a maior empresa de entretenimento ao vivo da América Latina e a 4ª maior do mundo. Em 2011, atingiu uma receita líquida consolidada recorde de R$ 610 milhões (crescimento de 7% em relação ao ano anterior).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.