Jean-Michel Jarre pede preço menor para CD

O músico francês Jean-Michel Jarre pediu nesta terça-feira uma redução de impostos sobre o CD na Europa. Para ele, esta é "uma questão de vida ou morte" para a indústria fonográfica do continente. A menor tributação sobre o preço do CD nos países europeus é de 16% na Espanha e na Alemanha, e a maior taxa é de 25% na Suécia. Outros bens culturais produzidos na Europa têm tributação de 5%, caso dos livros. "Temos que ver as novas mídias como víamos as antigas", disse Jarre, para quem a música "tem que ser considerada como um pouco diferente de iogurte ou pasta de dente". Os altos impostos cobrados sobre o CD devem-se ao fato de que os discos pertencem à categoria dos produtos de tecnologia, e não de cultura. A questão foi levantada pelos ministros da economia dos 15 países membros do bloco europeu num encontro em Luxemburgo. Mas as taxas não foram alteradas. Impostos altos e a pirataria são responsáveis por uma queda de 11% nas vendas de disco na Europa no primeiro semestre deste ano. Uma pesquisa da Federação Internacional da Indústria Fonográfica mostra que 60% dos consumidores comprariam mais CDs se os impostos baixassem. Na Europa, a tributação é feita no ato do consumo e altera o preço final do produto. É o chamado Imposto sobre Valor Agregado, ou IVA. Donos de lojas de discos já disseram que, com a queda do IVA, os preços baixariam imediatamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.