Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Jazz via Beirute, no trompete de Ibrahim Maalouf

O músico libanês fala da inspirada combinação de linguagens que mostra em Ouro Preto e em São Paulo

Roberto Nascimento , O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2013 | 19h14

Como no blues, a alma do canto árabe se revela nas inflexões entre uma nota e outra – os microtons, em termos técnicos, que sintetizam peso e triunfo existenciais quando entregues a um Ray Charles ou a um hábil müezzin em seu chamado à prece. Essa intersecção entre o Islã e o delta do Mississippi é o território dos improvisos de Ibrahim Maalouf, trompetista libanês que se apresenta no festival MiMO, em Ouro Preto, na sexta-feira, e em São Paulo, no Sesc Pompeia, neste fim de semana. Seu trompete é ave rara, concebida com quatro válvulas – uma a mais que a norma – para possibilitar o alcance dos poéticos gestos semitonais ouvidos em sua infância.

“É muito próximo do blues”, explica o músico em entrevista ao Estado. “Há várias pequenas diferenças, mas o blues do qual nós falamos hoje chegou ao delta através da África do Norte, que já era muçulmana.” Em sua música, o idioma híbrido, de duas linguagens historicamente relacionadas ganha sofisticação pela técnica adquirida em formação erudita.

O resultado é jazz filtrado por influências que vão da sala de concerto à herança musical de seu pai, ao fascínio adolescente pelo hip-hop.

Nos quatro elogiados discos lançados desde 2007, Ibrahim vai do jazz contemporâneo a uma world music diferenciada, em que consegue alcançar além da fórmula ‘solo sobre um pano de fundo’, camuflando-se entre arranjos, ditando uma dinâmica menos autocentrada e, ao mesmo tempo, extremamente pessoal em seus solos.

“De modo geral, eu não acho que o trompete tem de ser o instrumento mais importante na minha música. A definição de um instrumento é algo que facilita a construção de algo. Isso não quer dizer, necessariamente, que esse instrumento é a coisa mais importante da música. Sou como um diretor que atua no próprio filme, consciente do meu papel no desenvolvimento da trama”, explica, sobre a criativa mescla de música árabe, hip-hop e jazz que faz em seu primeiro disco, Diasporas, de 2007. Ao ouvir o disco, disponível em sua página de Soundcloud, impressiona como Ibrahim foge da norma em sua combinação de música tradicional com improvisos, de fato tomando uma posição de ‘diretor’ que enxerga os arranjos por uma ótica de produtor, como se fosse, além de trompetista, um beatmaker de hip-hop. A maioria dos músicos de jazz – não todos – coloca uma cítara e um djembe e improvisa sobre a música. Eu vejo a world music mais como uma mescla de sotaques. Eu falo francês com sotaque libanês. Quando toco jazz, que não é minha língua materna musical, eu não escondo a tradição libanesa, e isso enriquece a música. Não faço recorta e cola”, diz ainda.

Os estonteantes improvisos de Ibrahim Maalouf, sussurrados como Chet Baker, sofridos como as melodias de DNA árabe, encontram arranjos mais formais em Wind, seu mais recente disco, de 2012. Mesmo assim, o resultado é fora de série, conferindo ao seu trompete uma originalidade raramente vista nos círculos jazzísticos da atualidade. “Meu pai inventou esse trompete. O instrumento toca as escalas cromáticas e os quartos de tons, como fazem os cantores árabes”, conta, emendando a incrível história de como Nassim Maalouf, trompetista libanês famoso por sua adaptação do instrumento ao idioma árabe, concebeu um trompete revolucionário e perdeu os direitos à patente por tê-lo tocado na rádio nacional libanesa (o que concedeu a invenção ao domínio público).

Nascido em Beirute, em 1980, Ibrahim seguiu os passos do Nassim, aluno do célebre trompetista Maurice André e parceiro da famosa cantora libanesa Fairuz, e formou-se no Conservatório Nacional da Franca. Ouvia hip-hop na escola e ao consolidar a sua carreira em salas de concerto, resolveu explorar suas raízes e enveredou pelo jazz contemporâneo. Atualmente, toca ambas vidas musicais paralelamente.

IBRAHIM MAALOUF

Teatro do Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93, telefone 3871-7700. Sáb., às 21 h; dom., às 19 h. R$ 30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.