Mayela Lopez / AFP
Mayela Lopez / AFP

Jay Kay, vocalista do Jamiroquai, nega qualquer relação com manifestante no Capitólio

'Alguns de vocês podem pensar que me viram em Washington à noite, mas receio que não estava com todos aqueles malucos', informou o cantor por meio de mensagem no Twitter

AFP, Redação

07 de janeiro de 2021 | 14h46

O cantor do grupo de funk inglês Jamiroquai, Jay Kay, confundido por alguns com um dos apoiadores de Trump que invadiram o Capitólio dos Estados Unidos nesta quarta-feira, 6, negou ser o homem de peito nu, chapéu de pele e chifres que aparece nas imagens.

Em um vídeo postado no Twitter, o cantor de 51 anos, vestido com um casaco esportivo e imitando o sotaque americano, deixou claro: "Alguns de vocês podem pensar que me viram em Washington à noite, mas receio que não estava com todos aqueles malucos". 

Nas redes sociais, algumas pessoas fizeram piadas com a semelhança entre Jay Kay, fã de usar objetos extravagantes na cabeça, e o manifestante disfarçado, que a imprensa identificou como Jake Angeli, um membro do movimento conspiratório da extrema direita QAnon conhecido como o "Lobo de Yellowstone". 

Com o rosto pintado de azul, vermelho e branco, e com uma grande tatuagem sobre o peito e uma bandeira dos EUA na mão, o manifestante chamou a atenção dos fotógrafos quando invadiu o Capitólio na quarta-feira à tarde.

"Amo cocares, mas não estou certo de que essa é a minha galera", tuitou Jay Kay, conhecido por sucessos dos anos 1990 como Virtual Insanity, Cosmic Girl e Space Cowboy.

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.