Jane Duboc lança disco e festeja 30 anos de carreira

No novo CD, Sweet Lady Jane, acantora Jane Duboc posa de diva. Despe-se do papel de dona degravadora (a Jam Music, que comanda há três anos) e encontraoportunidade de exercitar integralmente seu lado intérprete.Reuniu profissionais renomados, como se não quisesse outrapreocupação senão cantar. Entre eles, estão Ivan Lins, comoprodutor; Rob Mounsey, na regência e arranjos; e seu próprio marido, Paulo Amorim, na direção artística. O time de músicosconta com outros nomes respeitados - e internacionais: LewSoloff (trompete com surdina), Steve Rodby (baixo), ChristopherParker (bateria), Romero Lubambo (violões e guitarra) e outrosescolhidos criteriosamente. Por acaso, o álbum chega às lojas no ano em que JaneDuboc completa três décadas de carreira. "Foi um grandepresente receber o carinho do Ivan, do Paulo, do EgbertoGismonti, que contribuiu com uma composição. Sinto esse carinho,mas a gente nunca tinha registrado isso num CD", pondera acantora. À frente da própria gravadora, Jane teve plenaliberdade de criação. Com ajuda do experiente amigo Ivan Lins,obteve o disco que queria. "Ivan quis produzir o disco e fomospara Nova York gravar. Ele é muito respeitado nos Estados Unidos, é um grande melodista, arranjador, compositor." Além deprodutor, o músico contribui com duas composições: De Alma eCorpo (escrita em parceria com Celso Viáfora) e Evermore(em parceria com Will Lee). Nesta última, ele faz um duo comJane. "O arranjo de corda no meio da música é cinematográfico.É muito apaixonante, a letra ficou linda." A voz doce de Jane transita entre o cool jazz e a bossanova. A música Verão, de Rosa Passos e Fernando de Oliveira,uma das preferidas da cantora, abre o novo CD. "Sempre quisgravar essa canção, adoro Rosa Passos. Acho-a maravilhosa, umagrande cantora e amiga de muitos anos." A letra chegou emportuguês para Rob Mounsey, que contratou um intérprete parafazer a versão em inglês, para só depois criar o arranjo. "Naintrodução de Verão, sente-se o mar, o vento", observaela. Ainda no repertório, Por Causa de Você, de Tom Jobime Dolores Duran (com a versão em inglês Don´t ever Go Away),Pr´um Samba, de Egberto Gismonti, e Blues Afins, deTunai e Sérgio Natureza ("é um blues abrasileirado, com umjeito todo nosso"). A música Pra Dizer Adeus, de Edu Lobo eTorquato Neto, ganhou versões em inglês e português. A idéia é´exportar´ a canção em inglês, sob o título de Goodbye. Noálbum distribuído nacionalmente, ficou Pra Dizer Adeus. Jane, que morou seis anos nos Estados Unidos, acha quebossa nova combina com inglês. "Fica chique, gostosa, adorocantar em inglês. Então, decidimos que eu cantaria algumascoisas naquele idioma." Destaque para If It´s Magic (SteveWonder), Photograph (Tom Jobim e Ray Gilbert) - cuja letraem inglês facilitará a divulgação da música no exterior -, eLady Jane, rock-n´-roll famoso da banda Rolling Stones,transformado em bossa. "O Ivan Lins teve idéia de harmonizarLady Jane e até o Paulo (Amorim) não acreditava. A música estámuito bem harmonizada e acabou saindo dessa maneira." A turnê de divulgação do disco estréia na Sala São Paulono dia 3, às 19 horas, e deve seguir para o Canecão, no Rio, e oPalácio das Artes, em Belo Horizonte. Ao lado da Orquestra JazzSinfônica, Jane Duboc interpreta todas as músicas do novotrabalho, além de antigos sucessos, como Valsa dos Clowns,Besa-me, Bordado (de Jane e Gerry Mulligan) e Só DançoSamba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.