Jean-Christophe Bott/ AFP
Jean-Christophe Bott/ AFP

Jamie Cullum leva novidades a Montreux e alfineta Trump

Usando preto e com o apoio de banda e duas vocalistas, tocou canções de seu repertório incluindo 'All at Sea' e 'These are the Days'

Stephanie Nebehay, Reuters

14 de julho de 2018 | 14h40

O cantor e compositor britânico Jamie Cullum uniu clássicos a novos materiais no Montreux Jazz Festival, dizendo à multidão que estava feliz por não estar em Londres durante a visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Cullum, que fará 39 anos mês que vem, pulou do piano durante a música de abertura, Get Your Way, dando o tom de um show de muita energia, que durou duas horas no Stravinski Auditorium e acabou à meia-noite na sexta-feira, 13.

Foi a quinta participação de Cullum no prestigioso evento desde 2004, na época, pouco depois do lançamento de seu álbum de estreia Twentysomething, que se tornou o álbum de estúdio mais vendido por um artista de jazz no Reino Unido.

“Estar aqui é um sonho, voltar a Montreux cinco vezes, é um dos maiores festivais do mundo. Eu não acho pouca coisa, de forma alguma, tantos dos meus heróis tocaram aqui”, disse Cullum à platéia de 4 mil pessoas na 52ª edição do festival.

“Vocês sabem quem está em Londres agora, um visitante... O que eu quero dizer é que é muito, muito bom estar aqui”, disse.

Cullum disse que o Montreux Jazz Festival, fundado pelo falecido Claude Nobs e dirigido por Mathieu Jaton desde 2013, “sempre apoia os músicos em suas empreitadas criativas. Eles não te dizem quando você tem que terminar, eles dizem ‘vá lá, faça o que quiser e se divirta’”.

Usando preto e com o apoio de uma banda e duas vocalistas, ele tocou canções de seu repertório incluindo All at Sea e These are the Days.

 

Mais conteúdo sobre:
Jamie Cullumjazz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.