Jackson reza todos os dias antes do julgamento

Michael Jackson tem começado todos os dias de seu julgamento rezando com o reverendo e ativista Jesse Jackson, disseram o religioso e a porta-voz do cantor. Jackson recebe conselhos do religioso tanto em assuntos espirituais como pessoais, disse Raymone K. Bain, a porta-voz do cantor."Eles se conhecem há um bom tempo", disse Raymone depois da audiência de ontem do julgamento do astro por abuso sexual de um menor. Ela disse que o cantor normalmente acorda às 4h30 e conversa com Jackson por 15 ou 20 minutos. Os dois conversam pelo telefone e rezam juntos, ela disse.Jackson disse, por telefone, que o cantor e a família são testemunhas de Jeová e que as preces que eles fazem juntos não são de nenhum religião. "Eu aconselho ele e a família dele", disse Jackson, um ativista dos direitos civis e ex-candidato à presidência pelo partido Democrata. Ele disse que é injusto que no júri de Michael Jackson não exista nenhum jurado negro e pediu que fosse imaginada uma situação em que uma pessoa branca seria julgada por abuso de menor por um júri predominantemente negro.PressãoO principal investigador do caso disse ontem em seu testemunho que pressionou o acusador e sua família para que denunciassem o cantor, dizendo que "nós vamos tentar tudo para que esse caso se resolva". O advogado de defesa do cantor, Robert Sanger, questionou o sargento Steve Robel sobre essa e outras declarações obtidas em entrevistas gravadas, sugerindo que elas indicavam que os investigadores estavam contra Michael Jackson desde o início.Sanger citou Robel, que teria dito: "Uma coisa eu quero deixar clara: vocês estão fazendo a coisa certa... Eu não ligo para quanto dinheiro ele tem. Foi ele quem fez a coisa errada. Nós vamos levar isso para a justiça". Sanger, então, perguntou: "Essa não é uma declaração de alguém com a mente aberta tentando encontrar a verdade, é?"Robel disse que foi treinado para fazer declarações deste tipo a supostas vítimas. "Essa declaração era para deixá-los seguros, porque eles estava, apavorados quando fizeram a denúncia. Levou duas semanas para que eles denunciassem". O testemunho de Robel aconteceu depois que o acusador do cantor terminou de depôr ontem, quando disse que havia falado a um professor que Jackson não o havia molestado por vergonha dos colegas de escola.

Agencia Estado,

16 de março de 2005 | 15h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.