Jackson pode ter abusado de garoto por um mês

Um ex-chefe de polícia do condado de Santa Bárbara que ajudou a promotoria local a compor as acusações contra Michael Jackson que deverão ser formalizadas nesta semana prevê que o cantor será processado, entre outras razões, por ter molestado um mesmo menino por mais de um mês. O ex-policial Jim Thomas analisou o caso de Michael Jackson com o promotor Tom Sneddon, responsável pela acusação. "Serão múltiplas acusações de abuso sexual centradas neste garoto em particular", disse Thomas. A acusação deve ser impetrada na Justiça americana esta semana, quase um mês depois que Jackson foi levado para a delegacia onde foi fichado e liberado sob fiança de US$ 3 milhões. Segundo o promotor, um dos motivos da demora em abrir processo contra o cantor foi a necessidade de criar um site para promotoria, a fim divulgar documentos do processo via internet. Entretanto, a demora pode ser sinal de que a promotoria se preocupou em dar forte sustentação ao processo. É o que pensa o advogado Leonard Levine, especialista em casos de abuso sexual. Para ele, o promotor Sneddon tem evidências que ainda não trouxe a público, pois decidiu seguir com o processo mesmo com a credibilidade dos demandantes sob suspeita. Os acusadores têm sua credibilidade questionada por causa, por exemplo de um documento do condado de Los Angeles que vazou na semana passada. No documento, o acusador de Jackson, seu irmão e sua mãe negaram que o menino tenha sido agredido sexualmente. O promotor, no entanto, disse que já sabia do documento quando emitiu a ordem de prisão em novembro. Ele não espera que o documento influencie o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.