Jackson planejou enviar família acusadora ao Brasil

Uma agente de viagens depôs hoje no julgamento de Michael Jackson por abuso sexual de um menor e disse que ela organizou uma viagem apenas de ida para que o menino que acusa o cantor fosse, com sua família, para o Brasil, mas que a viagem foi repentinamente cancelada.O depoimento de Cynthia Montgomery foi mostrado para comprovar a alegação da promotoria de que Jackson planejou seqüestrar seu acusador e a família dele e mandá-los para o Brasil por um período indefinido após a exibição do documentário Vivendo com Michael Jackson, em fevereiro de 2003, em que o cantor diz que gosta de dormir com crianças.Cynthia disse que todos os pedidos para a viagem de 1.º de março de 2003 foram feitos a ela pelo funcionário de Jackson Marc Schaffel, que está na lista de pessoas indicadas pela promotoria como co-conspiradores de Jackson.No último minuto, disse Cynthia, os planos de viagem foram cancelados por Schaffel, que apenas lhe disse que "os planos dele haviam mudado". A mãe da suposta vítima de Jackson disse que planejou a fuga da família da casa do cantor pedindo que as crianças pudessem visitar os avós antes de irem para o Brasil. Ela disse que a família deixou o rancho Neverland pela última vez em 12 de março de 2003.Questionada pelo advogado de defesa de Jackson Thomas Mesereau Jr., Cynthia confirmou que nunca conversou com Jackson sobre qualquer viagem. A agente testemunhou sob proteção judicial, pois está sendo investigada pelo FBI por estar ligada à filmagem secreta de Jackson e seu ex-advogado, Mark Geragos, durante um vôo que ela planejou. O avião alugado levou Jackson de Las Vegas a Santa Bárbara, onde ele se entregou às autoridades, quando foi acusado de abuso sexual, em 20 de novembro de 2003. Mas Cynthia insiste que não sabia da gravação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.