Jackson pagou US$ 23 mi para encerrar processo

O cantor Michael Jackson concordou em pagar US$15,3 milhões à criança que era acusado de ter molestado em 1993, segundo um acordo confidencial do processo, assinado em janeiro de 1994. Jackson não admitiu o abuso mas disse, na época, que preferia fazer o acordo para encerrar o caso, para evitar que sua carreira fosse afetada, conforme documentos obtidos ontem pela emissora americana TV Court. Quando foi feito, o acordo foi amplamente divulgado, mas essa foi a primeira vez em que documentos foram disponibilizados para terceiros. Eles especificam que US$ 15,3 milhões seriam entregues em juízo ao advogado do garoto, além de US$ 3 milhões para os pais e US$ 5 milhões para o advogado. As duas partes envolvidas no processo concordaram em manter o acordo em sigilo. Larry Feldman, advogado do garoto, não comentou a divulgação dos papéis. Já a porta-voz de Michael Jackson, Raymone K. Bain, não soube dizer se os documentos eram autênticos e que "quem quer que tenha distribuído esse material, o fez com más intenções para tentar influenciar potenciais jurados" no atual processo envolvendo o cantor. "É um ultraje, e eu vejo isso como um ato de desespero", ela disse. No atual caso, Jackson, de 45 anos, se declarou inocente a 10 acusações por abuso de menores, uso de entorpecentes e conspiração, envolvendo alegações de seqüestro de menor, cárcere privado e extorsão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.