Jackson encara mãe que o acusa de abuso sexual

Sob os olhares atentos da família Jackson, a mãe do garoto que acusa Michael Jackson de abuso sexual disse hoje em seu depoimento que não sabia da relação do detetive particular Brad Miller com a antiga equipe de advogados do cantor. Ela afirmou ter sempre acreditado que ele trabalhava exclusivamente para o astro pop.A mulher, identificada como Jane Doe para manter seu nome real em sigilo, testemunhou como parte das sessões que vão decidir quais provas poderão ser usadas no julgamento do cantor, marcado para 31 de janeiro de 2005. A defesa de Jackson quer excluir do processo evidências retiradas do escritório de Miller, bem como outras conseguidas no rancho de Neverland, argumentando que as autoridades agiram ilegalmente. A mulher de 36 anos, que permitiu que seus filhos passassem noites no rancho do cantor, fez o sinal da cruz depois de entrar no tribunal. Ela olhou rapidamente para Jackson, que não deixou de encará-la durante seu depoimento. Ela não olhou para ele depois disso. Esta foi a primeira vez em que os dois se encontraram desde que o processo foi iniciado e que ela chamou o cantor de "diabo" em uma audiência no começo do ano. Jackson, vestindo um terno branco com detalhes dourados, foi recebido e ovacionado por dezenas de fãs quando chegou ao tribunal do Condado de Santa Bárbara. Do lado de fora da corte, o advogado do "rei do pop", Thomas Mesereau Jr., disse: "As acusações que ele enfrente são falsas e serão combatidas na corte do nosso sistema de justiça. Ele é inocente e será defendido". Durante o interrogatório da mulher, Mesereau se referiu diversas vezes à entrevista que Miller fez com ela em 16 de fevereiro de 2003, alguns dias depois de Jackson aparecer com o filho dela em um programa especial para televisão. Mesereau disse que a transcrição da entrevista mostrava Miller comentando duas vezes que era um detetive particular trabalhando "especificamente para um advogado chamado Mark Geragos a serviço de Michael Jackson." Ela não respondeu quando Mesereau perguntou se o documento era falso. "Não estou negando que isso tenha sido dito. Estou dizendo que não me lembro", ela disse. Em alguns momentos, o advogado pareceu irritado com as respostas vagas da mãe do menino.Ontem, a defesa do cantor exibiu um vídeo com cenas da busca no rancho de Neverland, argumentando que o oficiais ultrapassaram os limites da lei ao levar objetos que não estavam indicados no mandado de busca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.