Itaú mostra nomes de seu mapa musical

De hoje a domingo, a Sala Azul do Itaú Cultural recebe nove artistas do Distrito Federal, Bahia, Tocatins, Mato Grosso e Paraná - uma seleção feita entre os 78 nomes, dos pontos mais diversos do País, escolhidos para representar a diversidade da criação musical contemporânea brasileira pelo projeto Rumos Itaú Cultural Música. Foi um mapeamento cuidadoso. Para cada região, foi escolhido um curador - músico, produtor musical, jornalista especializado. Abriram-se inscrições para os criadores locais. Houve 1.712 inscritos, ao todo. Destes, foram escolhidos os 78 mais representativos. Eles vêm se apresentando na Sala Azul, em fins de semana sucessivos. No mês passado, o Itaú Cultural lançou a coleção Cartografia Musical Brasileira, com faixas de todos os 78 selecionados. Os discos estarão à venda antes e depois das apresentações desse fim de semana. E o mapeamento não se limitou a relacionar os músicos de cada região, mas também as lojas que vendem determinado tipo de música em cada Estado, os jornais que publicam determinado tipo de reportagem musical, também em cada Estado, e as lojas que vendem - por exemplo - moda de viola, ou samba-de-roda, ou música da tradição gaúcha. A relação de lojas, jornais e emissoras de rádio serve para orientar o produtor independente na hora de distribuir o seu produto. Serve para evitar, por exemplo, que um artista grave disco de embolada, no Norte, e mande para uma loja do Sul que só venda pop, jazz ou sertanejo. É um serviço inestimável e único. As relações podem ser consultadas no site www.itaucultural.org.br. O levantamento traz ainda lista de teatros, casas de espetáculos e gravadoras (e suas especialidades), produtores, jornalistas (e suas áreas preferenciais de atuação), escolas de música e assim por diante. E traz os telefones, endereços e e-mails de todos os mencionados - pessoas ou instituições. As atrações de hoje são o violeiro, dançador de catira e lundu Badiá Medeiros, de Brasília; o bandolinista e guitarrista Fred Menendez, da Bahia; e o Trio Brasília Brasil, de Brasília, grupo de choro que tem como solista principal o bandolinista Hamilton de Holanda, revelado nacionalmente na primeira edição (instrumental) do Prêmio Visa de MPB. Amanhã, tocam o duo de flauta e piano fomado por Beth Ernest Dias e Francisca Aquino, de Brasília; o violonista, violeiro e fandanguista Carrigo, nascido no Paraná, mas radicado em Brasília; e o grupo Badulaque, paranaense, que trabalha unindo música popular, erudita e experimental. No domingo, as atrações são o pianista Eduardo Torres, da Bahia, o duo Belarmino e Patrício, do Tocantins, e Jerry Espíndola, do Mato Grosso, caçula da família Espíndola. Todas as apresentações têm início às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.