Leo Souza/Estadão
Leo Souza/Estadão

Itaú Cultural disponibiliza vídeos caseiros de Zuza Homem de Mello

Morto em 2020, crítico e pesquisador deixou registros inéditos gravados durante o isolamento social; material será exibido a partir desta segunda, no YouTube

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2021 | 10h00

O Itaú Cultural vai lançar, a partir desta segunda-feira, 13, uma série com vídeos inéditos gravados por Zuza Homem de Mello durante o período de distanciamento social. O pesquisador e jornalista, morto em 2020, resolveu fazer os registros em casa ao lado de sua mulher, a produtora Ercília Lobo. Ele usa a extensa coleção de vinis que possuía para falar sobre artistas como Gilberto Gil e Little Richard, explicar sobre instrumentos musicais e dar dicas do que ouvir. O Itaú Cultural vai disponibilizar o material no canal do YouTube da instituição. O programa, batizado Em Casa com Zuza, reúne cinco vídeos. Em todos eles, Zuza aparece à vontade, ao lado de Ercília. O projeto vai trabalhar com cinco recortes temáticos.

Do rock ao jazz

No primeiro – chamado Audições Noturnas a Dois –, Zuza compartilha o gosto de escutar música ao lado de Ercília, uma prática que dizia ser diária, dando dicas e compartilhando seu conhecimento musical. Ao destacar nomes como Little Richard, ele fala sobre o ídolo do rock da juventude na década de 1950, despontado ao lado de Chuck Berry e Fats Domino. Já no vídeo Homenagem a Gilberto Gil: 78 anos, o jornalista celebra o aniversário do cantor mostrando a coleção que tinha dos álbuns do cantor baiano.

No vídeo Sax Tenor, Símbolo do Jazz, Zuza discorre sobre a importância do instrumento, que marcou várias gerações do jazz, desde Zoot Sims até John Coltrane. E no último recorte, chamado Zuza Homem de Mello, Produtor de Discos, aparece a atuação do próprio jornalista como produtor, uma das muitas frentes de Zuza.

Tudo o que sabemos sobre:
Zuza Homem de Mello

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.