Gary Malerba/Invision/AP, file
Gary Malerba/Invision/AP, file

Israelense é preso em investigação sobre vazamento de canções de Madonna

Até agora não foi feita nenhuma acusação formal contra o suspeito

MAAYAN LUBELL, REUTERS

21 Janeiro 2015 | 17h13

Um israelense foi preso nesta quarta-feira, 20, pela suspeita de ter invadido computadores de uma série de cantores de fama internacional, entre eles Madonna, e vendido suas canções pela Internet, revelou uma fonte ligada à polícia de Los Angeles.

Um porta-voz confirmou que um israelense de 39 anos foi detido, mas se recusou a identificá-lo ou revelar suas supostas vítimas porque o tribunal proibiu a divulgação das informações.

Em dezembro, faixas incompletas de Rebel Heart, novo álbum de Madonna, foram vazadas antes do lançamento, gesto que a cantora descreveu como um “estupro artístico” numa postagem em seu Instagram, mais tarde apagada.

O investigador particular israelense Asher Wizman declarou que a equipe de Madonna entrou em contato com sua empresa várias semanas atrás para solicitar uma investigação do caso depois do surgimento de boatos sobre uma conexão israelense com o vazamento.

"Nosso investigador descobriu que os computadores (de Madonna), em casa e no estúdio, foram invadidos por um computador em Israel", contou Wizman à Reuters. "Rastreamos o computador, e o homem por trás dele. Depois de juntar indícios suficientes, procuramos a polícia e ele foi preso hoje (quarta-feira)."

"Durante a investigação soubemos que o suspeito invadiu os computadores de uma série de artistas internacionais, roubou demos (versões iniciais de canções) inéditas e faixas definitivas e vendeu o material pela Internet", informou o porta-voz da polícia.

Até agora não foi feita nenhuma acusação formal contra o suspeito.

Mais conteúdo sobre:
Madonna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.