Inquérito apura gravidez de Trevi

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar as circunstâncias em que a cantora mexicana Glória Trevi engravidou nas dependências da superintendência da instituição, no Distrito Federal. Uma sindicância concluída na semana passada pela PF concluiu que ela utilizou inseminação artificial, mas cartas de presos, publicadas pela revista Isto É, afirmam que ela foi vítima de abuso sexual por agentes federais. Hoje, uma liminar da Justiça Federal suspendeu a análise do processo de pedido de asilo da cantora que estava sendo julgado pelo Conselho Nacional de Refugiados (Conare).A gravidez de Glória Trevi passou da esfera administrativa para a área policial, depois da denúncia da revista sobre a possibilidade de dois agentes terem tido relações sexuais com a artista. Até então, a PF estava divulgando a versão de que a cantora havia engravidado utilizando sêmen do assaltante Marcelo Borelli e de seu empresário, Sérgio Andrade. A versão oficial é de que ela utilizara um tubo de caneta esferográfica para injetar o sêmen.Mas, no final da semana, a versão da PF, que consta da sindicância feita pela corregedoria-geral da instituição, parece ter ruído com a publicação de duas cartas de presos acusando indiretamente dois policiais de serem os supostos responsáveis pela gravidez. Hoje, o diretor-geral da PF, Agílio Monteiro Filho, nomeou o delegado da Divisão de Inquéritos Especiais, Cláudio Ferreira Gomes, para apurar o caso. Segundo Monteiro Filho, o inquérito será acompanhado por representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Ministério Público Federal.Extradição - A gravidez de Glória Trevi é mais um capítulo da conturbada história da cantora, que está presa no Núcleo de Custódia da penitenciária da Papuda, em Brasília, acusada de cúmplice de seu empresário e ex-namorado, de sedução de menores. A artista aguarda decisão do Conare sobre seu pedido para ser considerada refugiada, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) atendeu pedido da justiça mexicana e concedeu a extradição da cantora. Para tentar permanecer no Brasil, Glória alega que está ameaçada de morte em seu país.Hoje, Glória Trevi obteve sua primeira vitória em todo o processo. O juiz da 16.ª Vara Federal, Francisco Neves da Cunha aceitou pedido de liminar do advogado da cantora, Otávio Bezerra Neves, e suspendeu qualquer decisão do Conare sobre o destino da artista.O advogado alegou que o órgão perdeu a isenção depois que o ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, afirmou ser favorável à extradição de Glória e, conseqüentemente, contra a concessão de refúgio. O caso só deverá voltar à discussão em meados de dezembro, quando a cantora já deverá estar em seu oitavo mês de gravidez. Neste período, as mulheres são proibidas de viajar de avião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.