Divulgação
Divulgação

Inky lança compacto de remixes e parte para turnê latina; ouça a exclusiva Massive

EP chamado ‘Malrip Gaws’ traz versões do elogiado primeiro disco do grupo paulistano, lançado em 2014

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

22 Outubro 2015 | 04h00

“Eu descobri. Você me enfeitiçou”. A voz de Luiza Pereira, vocalista da banda paulistana Inky, é sussurrada, em versos em inglês. Repete o verso. Implora, desespera-se, aceita. Massive, terceira faixa do álbum de estreia do grupo, Primal Swag, lançado em 2014, é uma das cinco a ganhar uma versão mais desafiadora, soturna, no compacto Malrip Gaws. A nova versão da música é assinada pelo DJ e produtor Seixlack e abandona a suavidade original, com toques de psicodelia eletrônica na sua metade final, para ganhar um clima mais soturno, claustrofóbico e desesperador. 

Cada uma das cinco canções repaginadas do EP está sendo divulgada em diferentes países da América Latina – o remix de Massive é lançado no Portal Estadão, com exclusividade, nesta quinta-feira, 22 (ouça abaixo). A versão completa do trabalho estará disponível nesta sexta-feira, 23. 

“Chegamos a pensar em fazer um disco com outras bandas recriando as nossas músicas de Primal Swag”, revela Luiza. “Mas achamos mais legal partir para uma ideia de um EP eletrônico, com pessoas que têm a ver com o nosso som.” Além de Seixlack, os brasileiros grassmass, Carrot Green e Zopelar e o britânico Mala estão entre os selecionados para o compacto. Cada um deles escolheu a música do álbum que gostaria de retrabalhar. “(Massive) é a música mais trip hop do disco. Seu nome é em homenagem ao Massive Attack, inclusive”, explica ela. “A música ficou assim ainda mais pesada.” 

A ação faz parte da comemoração da primeira turnê pelos vizinhos de continente para a qual o grupo embarca em novembro. Três datas já foram anunciadas, uma no Peru e duas no Chile (sendo uma delas no festival Primavera Fauna, ao lado Morrissey, Empire of the Sun e The Cardigans). “É uma besteira o Brasil ser isolado da América Latina. As bandas vão para a Europa, os Estados Unidos, mas não viajam para os países vizinhos”, diz a vocalista. “Espero que essa seja a primeira turnê de muitas outras.” 

Mais conteúdo sobre:
inky música

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.