Inezita Barroso comemora 80 anos em show

A cantora Inezita Barroso, defensora ferrenha das tradições culturais brasileiras no campo da música, como pesquisadora, apresenta no Sesc Pompéia, desde ontem, o show que comemora seus 80 anos de vida. Graças às suas viagens pelo Brasil, conseguiu - e ainda consegue - recolher material relacionado às manifestações populares. "Daí minha decisão de dividir o show em duas partes, uma urbana e outra rural." O violonista Théo de Barros é responsável pela coordenação do repertório urbano, o que representa um selo de qualidade - em seu mais recente CD, Hoje Lembrando, de 2003, Inezita é acompanhada por Barros em um trabalho impecável, que traz ainda uma jóia extra: duas canções inéditas de Paulo Vanzolini, Bem Iguais e Recompensa. Em outro trabalho, Perfil de São Paulo, Inezita interpreta canções caipiras e urbanas que retratam a terra da garoa e foi gravado com Isaías e Seus Chorões. Íntima de assuntos como folclore e história da música popular brasileira, ela aproveita para mostrar, em shows, exemplos vivos de sua pesquisa. Tanto que, no espetáculo de hoje, Inezita conta com a participação de 36 integrantes da Folia de Reis de São Luís de Paraitinga. "Eu me orgulho de ser uma atuante defensora das nossas tradições." Inezita começou a cantar, estudar violão e piano na infância. Aos 25 anos, estreou como cantora na Rádio Bandeirantes, trabalhando ainda nas rádios Nacional e Record, além de ter participado do filme Mulher de Verdade, que lhe rendeu o Prêmio Saci, em 1954. Em 1997, ganhou o prêmio Sharp de música como a melhor cantora regional e, dois anos depois, recebeu o prêmio Movimento de Música, pelos 47 anos de carreira artística. Inezita sempre comparou a atual música sertaneja com as composições folclóricas do interior de São Paulo. "A música caipira conserva todas as características do folclore paulista: as modas de viola, a viola em si. A música sertaneja é uma coisa mais moderna, que não tem viola", explicou ela, que não pretendia cantar standards, como Lampião de Gás. "Mas o povo sempre pede e acabo cantando."Inezita Barroso- Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, 3871-7700. Hoje, 21h. R$ 5 a R$ 15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.