Indústria fonográfica chega ao Grammy em crise de vendas

As maiores estrelas do mundo da música estão chegando a Los Angeles para a cerimônia de entrega do prêmio Grammy neste domingo, enquanto os negócios desta indústria continuam deslizando rumo ao abismo. Cada dia traz uma nova má notícia para a indústria fonográfica, que movimenta US$ 21 bilhões, mas que não sabe como fazer com que o público pague US$ 18 por um CD em vez de baixar as músicas na internet. Nesta semana, por exemplo, o esperado novo álbum da cantora de jazz Norah Jones foi lançado e garantiu o primeiro lugar nas paradas de música pop dos EUA. Suas vendas, porém, corresponderam a menos da metade do arrecadado com o disco anterior, há três anos. A Warner Music - selo de estrelas como Madonna e James Blunt - relatou uma queda de 74% em seus lucros no primeiro trimestre, pior do que se antecipava. A EMI, que grava os disco de Coldplay e Robbie Williams, teve de demitir funcionários nos EUA. Ainda assim, a cerimônia do Grammy deve ter o ar de festa de sempre. "Não é o momento de dizer: ´Não sabemos mais como vender discos, por favor nos ajudem´", disse Craig Marks, editor-chefe da revista de música Blender. Os principais indicados para prêmios neste ano são a cantora de R&B Mary J. Blige, que concorre em oito categorias, e a banda Red Hot Chili Peppers, com seis indicações. Possíveis vencedores Prever os vencedores em qualquer uma das 108 categorias costuma sempre ser uma tarefa arriscada. No ano passado, todos esperavam que Mariah Carey, com oito indicações, seria a grande estrela da festa com seu disco de retorno às paradas. Ao final, ela recebeu apenas três prêmios. Blige foi surpreendentemente deixada de fora da disputa do prêmio de melhor disco do ano. Concorrem Chili Peppers contra Dixie Chicks, Gnarls Barkley, John Mayer e Justin Timberlake. Dixie Chicks chega como favorito com Taking the Long Way, primeiro álbum gravado em estúdio desde que a cantora Natalie Maines se meteu num vespeiro ao criticar, em 2003, o presidente George W. Bush. As vendas do disco decepcionaram. "Por razões que não tem nada a ver com a música, o disco nunca teve a chance de ser tudo o que poderia ter sido", disse o produtor do disco, Rick Rubin. O mais de 11 mil jurados da indústria que votam no Grammy supostamente devem priorizar o valor artístico e não as vendas. E o disco de Dixie Chicks foi elogiado pela crítica. Se os jurados optarem por politizar o prêmio, podem também premiar Neil Young por seu disco anti-Bush Living With War, que recebeu três nomeações nas categorias de rock. O cantor e compositor canadense, que nunca ganhou um Grammy, gravou o disco em seis dias no ano passado e rapidamente colocou as músicas em seu web site. Na aguardada disputa pelo prêmio de melhor artista revelação, o editor da Blender prevê vitória da cantora e compositora inglesa Corinne Bailey Rae. "Ela é uma cantora e artista sofisticada, é esse tipo de artista que o Grammy gosta de promover", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.