Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Incêndio proposital no Via Funchal

Alemães do Rammstein abusam da pirotecnia em primeira apresentação solo no Brasil

Arícia Martins, Estadão.com.br

01 de dezembro de 2010 | 04h25

SÃO PAULO - Em 1999, poucas pessoas conheciam a banda esquisita escolhida pelo legendário Kiss para abrir seus shows em São Paulo e em Porto Alegre, e que chegou a ser vaiada pelos fãs da atração principal. Em comum com o grupo de hard rock, só tinham o peso do som: o vocal grave de Till Lindemann, acentuado pela sonoridade ríspida do alemão, o teclado eletrônico, que destoa da agressividade da música e a coloca no nicho do rock industrial, e as roupas prateadas e fora do estilo classic rock não agradaram o público na ocasião.

Ninguém presente no Autódromo de Interlagos naquele 17 de abril iria imaginar que, 11 anos depois, a primeira apresentação solo do Rammstein no Brasil seria classificada como “histórica” e tão disputada a ponto do grupo alemão marcar um show extra para esta quarta-feira, 1º de dezembro. Os ingressos para o show de ontem no Via Funchal acabaram pouco depois de terem sido colocados à venda, em 7 de agosto.

Para quem se dispôs a pagar entre R$ 200 e R$ 300 para assistir uma das apresentações da turnê do Liebe ist für alle da, álbum lançado no ano passado, a recompensa veio com uma performance que misturou o melhor do Völkerball e do Live Aus Berlin, os dois DVD’s de shows da banda, com o peso das músicas do último CD.

Mesmo em um lugar fechado, os alemães não abriram mão de usar os efeitos pirotécnicos - sua marca registrada - em quase todas as músicas, o que, aliado à atuação teatral dos integrantes, torna um show do Rammstein impressionante até para quem não gosta de rock industrial. A interação com o público, no entanto, não passou de um “moito obrigado” no final e de um “tá certo” que um Till já envelhecido, mas nem por isso menos vigoroso, deixou escapar, talvez surpreso com a capacidade dos brasileiros de não errarem nenhuma letra em alemão.

Repertório. A abertura, que literalmente incendiou o Via Funchal, foi Rammlied, a primeira faixa do último trabalho, e também a mais pesada do disco. A música ainda nem havia começado e o primeiro fogo de artifício explodiu depois de duas cortinas caírem e revelarem a banda, que deu seu jeito de ficar disposta da maneira que prefere, com o baterista um nível acima dos outros, mesmo em um palco pequeno.

A primeira música relativamente antiga foi Keine Lust, do álbum Reise, Reise, de 2004. Os primeiros quatro versos foram cantados sozinhos pelo público. Fazendo uma retrospectiva maior ainda, o sexteto emendou Weisses Fleisch, do primeiro CD da banda, o Herzeleid, de 1995. O tecladista Flake não se acanhou e fez sua coreografia típica durante o solo de seu instrumento, no qual atravessou o palco com passos excêntricos, embalado pelas palmas e risadas da plateia.

Mas o êxtase veio na próxima faixa, a mais incendiária do grupo, a começar pelo título: Feuer Frei! (“Abrir Fogo!”, em tradução livre), música do álbum Mutter que é tema do filme Triplo X. Tal como no início do longa, foram usados três lança-chamas, que quase chegaram ao teto do palco e deixaram a pista ainda mais abafada.

Depois de mais duas faixas do CD atual, foi a vez de Till vestir seu uniforme sujo de açougueiro para cantar Mein Teil, sucesso do Reise, Reise baseado em uma história macabra que aconteceu na Alemanha em 2001. Neste ano, um médico virou notícia ao ser condenado por assassinar e comer uma pessoa, com seu consentimento. Tudo foi combinado pela web, onde o doutor se identificava como “O açougueiro Mestre”. No show, quem quase vira comida é Flake, perseguido por Till com um facão. Tudo brincadeirinha, logicamente, mas milimetricamente ensaiado.

Destaque também para Du Hast, a música mais famosa da banda, para a polêmica e machista Pussy, do CD atual, na qual o baterista fez uma pausa e ficou de pé para exibir um lança-chamas em formato de pênis acoplado ali mesmo, e para Sonne, do Mutter, um grande sucesso do grupo. Em Haifisch, quarta faixa do último CD, Flake surpreendeu ao encarnar um momento célebre do Live Aus Berlin: subiu em um bote e deixou-se levar pelo mar da plateia, atravessando a pista de ponta a ponta, nos braços das pessoas, e até levantou por alguns instantes uma bandeira do Brasil que recebeu de um fã.

Mesmo com um show que resumiu bem a carreira do sexteto, o público não estava satisfeito. Eles queriam ouvir Te Quiero Puta, música composta em 2005 especialmente para a turnê América Latina, então cancelada por causa de uma doença de Flake. E foi justamente com a faixa em espanhol que o grupo encerrou sua apresentação, mas sem uma participação feminina, que ficou por conta de samplers. Para quem ficou curioso, o grupo formado por Till Lindemann, Richard Kruspe, Paul Landers, Oliver Riedel, Christoph (Doom) Schneider e Christian (Doktor Flake) Lorenz se apresenta novamente nesta terça-feira no Via Funchal, e deve repetir o set list de ontem. Ainda há ingressos disponíveis.

 

 

 

SET LIST

1- Rammlied

2- B********

3- Waidmanns Heil

4- Keine Lust

5- Weisses Fleisch

6- Feuer frei!

7- Wiener Blut

8- Frühling in Paris

9- Mein Teil

10- Du riechst so gut

11- Benzin

12- Links 2 3 4

13- Du hast

14- Pussy

15- Sonne

16- Haifisch

17- Ich will

18- Te quiero puta

Serviço

RAMMSTEIN "Liebe ist für alle da" World Tour

Data: 1º de dezembro de 2010

Local: Via Funchal - S. Paulo

Preços: Pista: R$200

Mezanino: R$220

Camarote:R$300

Vendas pelo www.viafunchal.com.br, na bilheteria do local ou pelo telefone 3846-2300

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.