AFP
AFP

Ícone da música, Prince também brilhou no cinema

Músico norte-mericano estrelou o filme 'Purple Rain'

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2016 | 15h19

Virou lenda na história do showbizz. Em 1984, Michael Jackson era o rei do pop, o número 1 do mundo. Mandava na indústria fonográfica. Quando Prince fez Purple Rain, com direção de Albert Magnoli, a empresa produtora e distribuidora Warner fez uma sessão especial para ele. Michael gostou das músicas, do visual, mas detestou a forma como as mulheres eram retratadas. Prince, para quem a opinião de Michael Jackson era muito importante, tentou suspender o filme, mas a Warner foi em frente. Purple Rain, o filme, não chegou a ser um êxito planetário, mas virou cult.

Conta a história do Kid, garoto talentoso de Minneapolis, a cidade de Prince, que sonha ser astro. O Kid é um poço de problemas. Não quer acabar como o pai, um tipo abusivo, tem um antagonista que vai fazer de tudo para acabar com sua carreira. E, no meio de tudo isso, mantém uma ligação difícil com Apollonia - Apollonia Kotero. Viva Música foi o único dos quatro filmes de Prince que ele também não dirigiu. De todos os demais, foi também o diretor - Under the Cherry Moon, Sign 'O' the Times e Graffiti Bridge, realizados entre 1986 e 90.

Under the Cherry Moon é definido por Leonard Maltrin como um 'embaraço' em seu guia de filmes. Conta a história de um garoto que exerce um poder fulminante sobre as mulheres e vira gigolô no sul da França. Maltin ironiza - diz que, sim é uma fantasia cientifico-narcisista. Kristin Scott-Thomas e Alexandra Stewart, norteamericana que virou estrela da nouvelle vague, são algumas das 'amantes'.

Filmada em preto-e-branco, em ambientes estilizados - e com figurinos dignos de um 'príncipe' --, a produção tem a cara do astro/diretor, que flerta com a vanguarda de dentro do mainstream. Graffiti Bridge costuma ser definido com a sequência de Purple Rain (or so - ou algo parecido). O Kid virou astro, mas sofre crise mística, o que fornece acentos religiosos ao filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.