BRENDA WILMS
BRENDA WILMS

Ibrahim Ferrer Jr defende legado do Buena Vista em São Paulo

Filho do grande cantor cubano Ibrahim Ferrer, cantor faz show único na Casa Natura, domingo

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

17 Março 2018 | 06h00

Ele é mais alto, extrovertido e seu sorriso, ao contrário da sisudez do pai, desconcerta. Ibrahim Ferrer Jr., herdeiro de uma das vozes mais comoventes de Cuba, o velho Ibrahim Ferrer, morto em 2005, volta ao Brasil para uma apresentação neste domingo, 18, na Casa Natura.

Existem ali, como em todos os filhos de gigantes, dois homens. Um é o mais óbvio. Ibrahim filho canta tudo o que marcava os momentos de Ibrahim pai quando este se tornou conhecido no mundo por um milagre chamado Buena Vista Social Club, a partir de 1997. De Camino por Vereda; Quizás, Quizás; El Cuarto de Tula, Dos Gardênias; Siléncio; Ay, Candela. Além da condição de filho de um homem da velha guarda cubana, sua face de cantor da nova Cuba também é interessante. Sem refundar os conceitos das guarânias, guarachas, son, guajiras e todos os primos, Ibrahim Jr. diz ter músicas próprias para mostrar em São Paulo, como Latin Cha, Señora Amor e Falsa Razón.

Ibrahim fala com o Estado de sua casa em Havana, por telefone. Ele diz que o vendaval cubano que simbolizou o coletivo Buena Vista no final dos anos 90 teve uma importância ainda não mensurada com justiça. A turma de seu pai – com o piano incendiário de Ruben Gonzales, a malandragem de Compay Segundo, a intensidade de Omara Portuondo e o pegada santiagueira de Eliades Ochoa – fez mais do que dar dignidade a ‘los viejos’ no último momento em que isso poderia ter acontecido (além de Ibrahim, os dois primeiros da lista já morreram). O projeto fez países considerados fechados culturalmente a Cuba se abrirem. “O intercâmbio cresceu mesmo em lugares como o Brasil, sempre mais resistente ao espanhol. A aceitação de Cuba hoje está por toda a parte. Só não gosto de dizer que eles foram descobertos com o Buena Vista. Na verdade, eles foram reencontrados.”

E como era em casa? O que lhe dizia o pai sobre a vida em Cuba, tanto em Santiago, na parte oriental da Ilha, quanto em Havana, para onde se mudaram mais tarde? “Ele era muito calado, nunca o vi reclamando de nada. Bem, em casa nós não nos metíamos em política. Sei que tivemos nossa casa, mesmo humilde, a possibilidade de ir a um médico quando precisamos e um bom estudo.”

Sobre alguma aproximação com a música brasileira, já que Ibrahim se apresentou na Virada Cultural de 2013, ele diz que reconhece o fenômeno do samba e o compara ao son cubano. “Você anda por todos os lugares e o samba está lá, mesmo em um país grande como o Brasil. É como o son, que ganha formas de tocar bem diferentes por toda a ilha.”

IBRAHIM FERRER JR.

Casa Natura. R. Artur de Azevedo, 2.134, tel. 4003-6860.  

Dom. (18), às 19h30.  

R$ 60 a R$ 130 

Mais conteúdo sobre:
Ibrahim Ferrer Jr.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.