Ian McCulloch inicia turnê acústica pelo Brasil

O cantor e compositor inglês Ian McCulloch já bateu ponto algumas vezes no Brasil com seu grupo Echo & The Bunnymen. Gostou tanto que está de volta. "O público brasileiro é o melhor que já tivemos, as pessoas são muito animadas e tornam os shows vibrantes", disse o músico. "Não conheço muita música brasileira, mas sinto que os músicos brasileiros têm um ritmo fantástico, contagiante, é o melhor do planeta. Sinto que vão contribuir com coisas diferentes para a minha música." Foi por isso que sugeriu a Mônica Margato, responsável pelo departamento de produção da CIE-Brasil, uma turnê acústica com artistas nacionais. "Deixamos para definir tudo nos ensaios, mas o que importa é a oportunidade do contato com esses músicos." A turnê-solo, que começa hoje por São Paulo, tem por base o álbum Slideling, lançado há quase um ano. McCulloch prometeu sucessos do Echo, como The Killing Moon, Seven Seas, What Are You Going to Do with Your Life e covers de Lou Reed, John Lennon, Leonard Cohen e David Bowie, quatro de seus ídolos. Neste giro, vai cantar com Léo Jaime no Directv Music Hall (SP); com um convidado ainda não definido amanhã no Clube do Exército (Brasília); com Wander Wildner, domingo, no Bar Opinião (Porto Alegre); com Samuel Rosa, do Skank, terça-feira no Palácio das Artes (Belo Horizonte); e com Roberto Frejat, dia 30, no Claro Hall (Rio). Fã de caipirinha ele já é. E vai levar na bagagem o primeiro CD do violonista gaúcho Yamandú Costa. Agora quer aprender a jogar capoeira e a produção está fazendo de tudo para colocá-lo frente a frente com Pelé. O cantor trouxe até uma camiseta para presentear o rei do futebol. Simpático e alegre, o cantor nem de longe lembra o antigo estilo depressivo com que reinou entre os fãs do rock gótico nos anos 80. "Aquela fase mais introspectiva já ficou para trás", confirma Léo Jaime, que vai cantar com ele Lips like Sugar, um dos maiores hits do Echo no Brasil.Ian McCulloch- Hoje, às 21h30, no Directv Musica Hall, Avenida Jamaria, 213, Moema, 6846-6040. R$ 50 a R$ 100.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.