Ian Anderson compara público a torcida de futebol

Ian Anderson, líder do Jethro Tull, recebeu a reportagem da Agencia Estado antes do segundo show em São Paulo para explicar os incidentes ocorridos na apresentação de segunda-feira. Ian revelou que a ordem para a segurança permitir que as pessoas pudessem se aproximar do palco partiu do próprio Jethro Tull e não dos organizadores. "Fizemos isso em todos os shows, e o de ontem foi o 89º desta turnê. Sempre que chega na música Living in the Past pedimos para a segurança se retirar, assim o público pode participar mais do show. Em alguns lugares as pessoas ficam pulando, em outros, ficam tímidas. O que aconteceu aqui foi um pouco além do esperado. Talvez as pessoas achassem que estavam em um estádio de futebol", comentou.Ian admitiu que ele e o guitarrista Martin Barre deixaram o palco irritados por causa dos objetos que estavam sendo atirados pelo público. "As pessoas jogavam copos, e o conteúdo caía sobre nós", disse, ressaltando que mesmo assim o grupo cumpriu o set list que estava programado. "Já estávamos no bis e por isso fomos até o fim".Para evitar que os incidentes de ontem se repitam no show de hoje, os organizadores tomaram algumas providências: a segurança foi dobrada e não permitirá que o público chegue perto do palco. Além disso, os brindes de plásticos, distribuídos pelo patrocinador antes do show de ontem, desta vez só serão entregues no final. E as bebidas serão servidas em copos de plástico."Eu preferiria que a TV mostrasse o show como o de ontem, tinha mais cara de um show de rock. Hoje, as pessoas vão ficar sentadas o tempo inteiro", previa Ian Anderson, pouco antes de subir ao palco.A apresentação de hoje vai encerrar a turnê mundial do álbum Dot.com. Depois de ter tocado em Israel no dia 12 de novembro, Jethro Tull aceitou fazer os dois shows em São Paulo, e parte da renda será destinada ao Projeto Alfabetização Solidária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.