Chris Pizzello/Reuters
Chris Pizzello/Reuters

Herdeiros de Prince assinam acordo com Sony para relançar seus discos

A partir de 2021, empresa também terá os direitos de 12 álbuns da era de ouro do cantor, inclusive 'Controversy', '1999' e 'Around the World in a Day'

AFP

27 Junho 2018 | 18h26

A Sony Music anunciou nesta quarta-feira, 27, que assinou um acordo com os herdeiros do Prince para relançar a maior parte de sua obra, a última tentativa de monetizar o legado da lenda do pop.

Ironicamente, já que ele foi um artista que enfrentou a indústria da música, os herdeiros de Prince alcançaram acordos com as três maiores gravadoras.

A Sony anunciou que sua marca Legacy Recordings, que trabalhou com os arquivos de artistas clássicos, vai adquirir imediatamente os direitos de 19 álbuns produzidos entre 1995 e 2010, quando Prince terminou sua longa relação com a Warner Brothers.

+++ Autoridades dos EUA não acusarão ninguém pela morte de Prince

+++ Álbum inédito de Prince será lançado em setembro

A partir de 2021, a Sony também terá os direitos de 12 álbuns da era de ouro do Prince, inclusive Controversy, 1999 e Around the World in a Day. O contrato exclui a obra mais conhecida de Prince, Purple Rain, que é de 1984.

+++ Prince morreu de overdose de opioide, diz oficial americano

+++ Em livro, ex-mulher de Prince narra momentos íntimos do casal

Prince, que morreu repentinamente em abril de 2016, foi um duro crítico das grandes gravadoras e depois da internet, dizendo que as corporações colocavam artistas em virtual escravidão. Por essa razão, ele rompeu com a Warner em meados dos anos 90.

Mas em seguida ele iria se reconciliar com a Warner. Após a sua morte, a empresa relançou o álbum Purple Rain e adicionou novas músicas.

A Universal Music anunciou no ano passado um acordo de 31 milhões de dólares com os herdeiros de Prince, mas um juiz cancelou-a a pedido da empresa, alegando que não estava claro o escopo de seus direitos sobre o trabalho do falecido artista e que em muitos casos se sobrepunham aos da Warner.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.