Herbie Hancock ganha dois Grammys

O pianista Herbie Hancock conquistou dois realizada na noite deste domingo, no Madison Square Garden, em Nova York (EUA). O veterano jazzista ficou com o Grammy de melhor gravação solo de jazz, com a música My Ship, e o de melhor álbum de jazz, pelo CD Directions In Music, no qual Hancock, o trompetista Roy Hargrove e o saxofonista Michael Brecker fazem um tributo a Miles Davis e John Coltrane, que teriam feito 75 anos em 2001.O disco, gravado ao vivo no Canadá, concorria ainda com a música Naima, interpretada pelo sax tenor de Brecker, também na categoria melhor gravação solo. Mas os membros da academia optaram por premiar o conjunto. Na gravação de Brecker não há acompanhamento. Já em My Ship, além dos três citados, há a precisão do baixista John Patitucci e o ritmo do baterista Brian Blade. Hancock tocou no mitológico quinteto de Miles Davis, entre 65 e 68, ao lado do baixista Ron Carter, do saxofonista Wayne Shorter e do baterista Tony Williams. Na categoria álbum de jazz vocal, a canadense Diana Krall ficou mais uma vez com o prêmio. Ela venceu com o CD Live in Paris, onde apresenta, basicamente, uma versão ao vivo do seu disco The Look Of Love, de 2001. Apesar de ter apenas uma música inédita, o disco traz clássicos como I?ve Got You Under My Skin e Fly Me to the Moon. E é claro, todo o talento e carisma da pianista canadense. Infelizmente, para o Brasil, a vitória de Krall tirou a oportunidade da brasileira Luciana Souza conquistar seu primeiro Grammy. Ela concorria com o disco Brazilian Duos.O guitarrista Pat Metheny, que agora soma 14 prêmios Grammys na carreira, levou mais um para casa, desta vez como melhor disco de jazz contemporâneo pelo CD Speaking Of Now. O guitarrista, que tem na música brasileira sua maior influência, traz neste trabalho a Pat Metheny Band um pouco reformada. A baixa é o baterista Paul Wertico, que acompanhou Metheny por quase duas décadas. Mas há o pianista Lyle Mays, uma espécie de alma gêmea do guitarrista, que assina seis faixas do disco ao lado de Metheny. A música brasileira teve outra derrota neste domingo, na categoria melhor disco de jazz latino. O percussionista Duduka da Fonseca disputava com o disco Samba Jazz, mas acabou perdendo para o grupo Carribean Jazz Project, com o álbum The Gathering. O projeto, liderado pelo flautista Dave Valentin e pelo vibrafonista Dave Samuels, teve a participação do saxofonista cubano Paquito D?Rivera.Na categoria melhor disco de jazz em grupo ou orquestra, o baixista Dave Holland ficou com prêmio pelo belíssimo disco What Goes Around. Aqui, Holland transporta suas composições - a grande maioria já foi gravada com seu quinteto - para uma nova dimensão, a big band. O disco surpreende. Dave Holland demonstra mais uma vez sua enorme habilidade como compositor e arranjador. Com isso, o mundo do jazz acabou ganhando uma nova big band. Este ano, em especial, o jazz tem muito para comemorar. Apesar de não ter sido indicada nas categorias de jazz, a cantora Norah Jones, que grava por um selo de jazz e com músicos de jazz, foi a grande estrela da noite. Seu disco de estréia, Come Away With Me, levou oito Grammys, entre eles gravação do ano e disco do ano. Bom para a música e melhor ainda para o jazz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.