Helena Wolfenson/Divulgação
Helena Wolfenson/Divulgação

Gustavo Galo, da Trupe Chá de Boldo, faz canções para noites quentes em segundo disco solo

Lançamento do álbum 'SOL' será neste domingo, 11, no Sesc Belenzinho

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

11 Dezembro 2016 | 04h00

Gustavo Galo escreve “te amo” com “tesão”. Tesão sexual ou uma letra “t” grande, como “Te amo”? Ambos? Compositor e cantor paulista de 31 anos, em seu segundo passo na carreira solo, criada em paralelo ao trabalho com a incendiária Trupe Chá de Boldo, brinca com as palavras, como um íntimo delas. Numa proximidade quase tântrica com as letras, suas formas, sons e usos, Galo canta amores carnais, suados e noturnos. 

O curioso é o título do trabalho, SOL, com todas as letras maiúsculas, uma oposição ao espírito notívago do artista, acostumado às longas jornadas pelas noites paulistanas. O sol, o astro, foi a inspiração para o início do que seria o disco e suas 10 músicas. Ao perceber a quantidade de shows de ASA, o primeiro disco solo do artista lançado em 2014, no ano passado, Galo passou a excursionar pelo País com um violão nas costas. 

Desgostoso, leu um poema de Vladimir Maiakovski, artista russo morto em 1930, chamado A Extraordinária Aventura vivida por Vladimir Maiakovski no Verão na Datcha. No texto, o poeta reclama com o sol inclemente. Maldiz a vida até que o próprio sol responde e explica-lhe que a sua própria jornada, de brilhar dia após dia, também era cansativa. Juntos e amigos, entendem a função de cada um – o poeta com suas palavras colocadas lado a lado, o sol com raios e quentura. “Passei a pensar sobre essa atividade que é ser compositor”, explica Galo. “Viajar assim, de ônibus, de maneira independente, deu-me força para fazer um trabalho novo.” 

Mais uma vez trabalhando com Gustavo Ruiz, produtor que havia comandado o disco de estreia e também parceiro dos álbuns da Trupe, Galo faz um disco no qual fala de amor sem medo e pudores. Apaixonado novamente, ele apresenta canções solares, indicadas para serem ouvidas à noite. A transa com as palavras é quente e aberta a interpretações. Amor, de Galo, é indireto, como um flerte. Quando o escancara, e opta por usar as palavras dos outros. “Ai meu amor, como eu te amo / Tem um arco-íris unindo meu coração ao seu coração”, ele canta em Salto no Escuro, de Mautner e Jacobina. “Quanto mais colocamos o amor em uma relação libertária, mais combatemos uma moral que ainda reveste o sentimento”, ele diz. Quanto mais “tesão”, melhor.

GUSTAVO GALO 

Sesc Belenzinho.

Rua Padre Adelino, 1.000, Belenzinho, tel.: 2076-9700.

Dom. (11), às 18h. R$ 6 a R$ 20.

Mais conteúdo sobre:
Gustavo Galo Galo SOL Verão Jacobina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.